Acusado de assassinar menina galesa de cinco anos chora em tribunal

Mark Bridger comparece a tribunal do País de Gales, que o julgará pelo sequestro e assassinato de April Jones

BBC Brasil |

BBC

BBC
Mark Bridger, em foto divulgada pela polícia

O britânico Mark Bridger, acusado de assassinar uma menina de cinco anos em um caso que chocou a Reino Unido, chorou durante sua aparição em um tribunal no País de Gales nesta segunda-feira.

Em um procedimento de praxe, Bridger declarou sua identidade, endereço e chorou ao confirmar que entende as acusações feitas pela Justiça que incluem assassinato.

Leia também:  Homem é formalmente acusado de matar galesa de 5 anos

Bridger, de 46 anos, foi preso na terça-feira da semana passada, menos de 24 horas após o desaparecimento de April Jones. Ele foi formalmente acusado dos crimes de rapto de menor, assassinato e obstrução da Justiça.

April Jones, de cinco anos, foi vista pela última vez enquanto brincava com seus amigos perto de sua casa, na pequena cidade de Machynlleth. Na segunda-feira da semana passada, ela foi vista pelas crianças entrando em um veículo.

Inicialmente, a polícia disse que se tratava de uma van, mas, posteriormente, as autoridades divulgaram uma foto de uma Land Rover Discovery azul que pertence a Bridger. Ele foi detido em uma estrada que conecta Machynlleth a cidades no norte do País de Gales. A polícia montou pontos de checagem em todas as vias no entorno da cidade.

Segundo a imprensa britânica, Bridger era um ex-soldado e morava na região há 25 anos, sendo originário de Londres. Ele chegou a trabalhar como salva-vidas.

Buscas

Cem policiais continuam as buscas por April nos arredores da cidade de Machynlleth e no rio Dyfi. O desaparecimento da menina mudou a rotina da região. No domingo, mil pessoas compareceram a uma missa especial para a desaparecida e cerca de 600 participaram de uma procissão próxima à casa de April.

Ela sofria de um grau leve de paralisia cerebral e precisava ser medicada diariamente para evitar, entre outros sintomas, dor. A polícia não informou que descoberta mudou o foco das investigações de desaparecimento para assassinato.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG