Rabinos ultraortodoxos israelenses 'declaram guerra' a smartphones

Às vésperas do feriado de Yom Kippur, religiosos dizem que celulares são 'indecentes'

BBC Brasil |

BBC

Às vésperas do feriado mais importante para a religião judaica, o Yom Kippur, rabinos ultraortodoxos de Israel exortaram seus discípulos a se desfazerem de seus smartphones, por estes serem "cheios de indecências".

Conhecido como Dia do Perdão, o Yom Kippur começa ao anoitecer desta terça-feira e termina na noite da quarta-feira. É o dia em que os fiéis devem pedir perdão e se penitenciar dos pecados cometidos durante o ano que passou.

AP
Judeus ultraortodoxos durante ritual que antecede o Yom Kippur

Um dos rabinos ultraortodoxos mais respeitados de Israel, Haim Kanievsky publicou um decreto no jornal da mesma linha Yated Neeman, pedindo que os fiéis queimem seus iPhones e similares.

Ao responder a perguntas de um comerciante que dizia que o aparelho era útil para seus negócios, Kanievsky afirmou que "é proibido possuir um smartphone, deve-se queimá-lo e é proibido vendê-lo a um não judeu".

Os rabinos ultraortodoxos afirmam que os celulares com acesso à internet – cada vez mais populares entre nessa comunidade – são um perigo que todo fiel deve evitar. Os religiosos alegam que os aparelhos expõem o público a "mensagens impróprias", como pornografia.

Em entrevista ao jornal Jerusalem Post, o professor Yedidya Stern, do projeto Religião e Estado, do Instituto Democracia Israelense, afirmou no entanto que, até mais do que a pornografia, os líderes ultraortodoxos podem se preocupar com o acesso ilimitado à informação.

"Smartphones são um portão para o mundo, com acesso a informações não censuradas que podem influenciar suas identidades, mesmo vivendo em um gueto ultraortodoxo", disse Stern.

Filtros no computador

Esta não é a primeira vez em que esses rabinos tentam combater inovações tecnológicas "perigosas". Ter uma televisão, por exemplo, é expressamente proibido em lares ultraortodoxos.

Computadores, que inicialmente vários rabinos tentaram combater, podem ser utilizados, mas com a condição que tenham filtros que impeçam o acesso a conteúdos "indesejados".

A campanha de rabinos ultraortodoxos contra o smartphone não ocorre apenas em Israel, mas também nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha.

Unindo líderes espirituais de origem ocidental e oriental, a campanha é defendida ainda por líderes espirituais do partido ultraortodoxo Shas, que faz parte da coalizão governamental de Israel.

'Indecentes'

Nos bairros ultraortodoxos de Jerusalém foram colados cartazes com os dizeres: "Indecente, dono de smartphone, cercado por impurezas durante 24 horas por dia, saia de nossa comunidade".

Segundo o rabino Shmuel Halevy, "quem esbarra na internet perde os olhos, o coração e o sentimento para perceber tudo que é sagrado".

"Os usuários de internet não poderão ir para o outro mundo", acrescentou o rabino.

    Leia tudo sobre: israelyom kippurultraortodoxos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG