Tropas brasileiras socorrem vítimas de tempestade tropical Isaac no Haiti

Em missão de paz no país, brasileiros já identificaram mais de 1,2 mil pessoas em situação de emergência em Porto Príncipe; maior instalação militar da ONU no mundo foi atingida

BBC |

BBC

Tropas brasileiras em missão de paz no Haiti já identificaram mais de 1.200 pessoas em situação de emergência em Porto Príncipe, devido à passagem da tempestade tropical Isaac pelo Haiti. Bases do Brasil no Campo Charlie - a maior instalação militar da ONU no mundo - e em Cité Soleil foram parcialmente destelhadas e perderam boa parte de sua capacidade de comunicação devido a ventos cuja velocidade ultrapassa 100 km/h.

Leia mais: Tempestade tropical Isaac inunda Haiti e segue para Cuba

Relembre: Mais de dois anos após tremor, casa ainda é sonho para haitianos

"Caíram muitas árvores e postes de luz. As portas dos alojamentos foram arrancadas e houve muito destelhamento. Estamos agora reinstalando as antenas de rádio para retomar as comunicações. A internet não está funcionando. Tivemos um prejuízo razoável", afirmou à BBC Brasil o tenente-coronel Rubens Costa Neto, porta-voz do Brabatt 1, um dos batalhões brasileiros no país.

Exclusivo: Simulador de tiro treina tropa brasileira que vai para o Haiti

Leia também: ONU confirma brasileiro como novo chefe de missão de paz no Haiti

Reuters
Tempestade tropical Isaac causou estragos no Haiti e agora segue para Cuba: missão de paz brasileira ajuda

O pico da tempestade ocorreu na madrugada, quando era possível transitar pela cidade apenas em blindados anfíbios. Apesar dos estragos nas bases brasileiras, segundo ele, as tropas continuam em condições de atuar e inciaram na manhã deste sábado um processo de identificação das regiões mais atingidas. Após o levantamento, operações de socorro devem ser iniciadas sob o comando das agências de ajuda humanitária da ONU e do governo haitiano.

Até a tarde deste sábado (25), ao menos quatro mortes foram notificadas à organização britânica Oxfam. Apenas uma delas foi confirmada, a de uma menina soterrada no desabamento de um muro. Segundo Costa Neto, uma companhia de engenharia brasileria já foi despachada para Les Cayes, a cidade no sul do país mais atingida pela tempestade Isaac. Os militares levam ao local caminhões anfíbios, escavadeiras e suprimentos de água para socorrer os feridos, limpar estradas e retirar moradores de áreas ilhadas.

Saiba mais: Leia todas as notícias sobre o Haiti

Aproximadamente 400 mil pessoas ainda vivem em tendas e acampamentos improvisados no país após terem perdido suas casas no terremoto de janeiro de 2010, que matou cerca de 300 mil pessoas. Há dois dias, quando a tempestade Isaac se aproximava, a ONU levou cerca de 80% dos moradores de acampamentos para abrigos de tempestade feitos de alvenaria, segundo a entidade.

Áreas afetadas Mas, segundo Costa Neto, cerca de 700 novos desabrigados foram identificados na favela de Cité Soleil e 500 no bairro industrial de Sonapi. "Muitas construções foram afetadas nessas regiões. Os moradores estão em situação de calamidade", disse "Na sexta-feira todos foram orientados a não deixarem suas casas. O tempo melhorou na manhã de hoje [sábado] mas voltou a piorar agora de tarde. Está chovendo muito forte as áreas alagadas devem aumentar", afirmou. Segundo ele, a tempestade começa a deixar o país, mas a chuva continua forte. Diversas regiões da capital estão alagadas.

A Comissão de Ajuda Humanitária e Proteção Civil da União Europeia monitora a situação e deve acionar equipes de socorro. A entidade afirmou que os ventos chegaram à velocidade de 375 km/h no centro da tempestade. A comunidade internacional deve ajudar o governo do Haiti no socorro aos desabrigados. Há reserva de alimentos para 300 mil pessoas, estoque de água para 400 mil e abrigos de emergência para atender 70 mil famílias.

Além das equipes das agências humanitárias, 5.700 fuzileiros estão de prontidão nas bases da ONU aguardando o fim da tempestade. Eles devem garantir a segurança das equipes de socorro e impedir eventuais ações criminosas nas áreas mais afetadas. A tempestade Isaac agora se dirige para Cuba. Especialistas estimam que em seguida ela atinja a Flórida, nos Estados Unidos.

    Leia tudo sobre: isaactempestade tropicalfuracãohaititragédiatropas brasileirasbrasil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG