Pólen incrimina tio em assassinato de menino britânico em 1984

Matéria vegetal nas roupas do garoto mostraram que ele esteve no jardim de Melvyn Read, que morreu em 2008, antes do término das investigações

BBC Brasil |

BBC

BBC
Melvyn Read (esq.), apontado como assassino de Christopher Laverack

A polícia britânica conseguiu descobrir por meio do pólen e da matéria vegetal encontrada no corpo de um menino morto em 1984 que a criança foi assassinada por seu tio.

Leia também: Assassino foragido há mais de 40 anos é preso em Portugal

Chistopher Laverack foi encontrado morto em março de 1984, dois dias após ter desaparecido da casa de sua irmã, na cidade britânica de Hull.

Os policiais do condado de Humberside conseguiram identificar o assassino como sendo Melvyn Read, o tio do jovem, na mais longa investigação já realizada na região. A polícia chegou a prendê-lo em 2006, como principal suspeito do assassinato de seu sobrinho.

Morte na prisão

Os policias não conseguiram, no entanto, reunir provas suficientes na ocasião para incriminá-lo. E Read acabou morrendo de câncer na prisão, em 2008. Ele havia sido preso por crimes sexuais contra crianças.

Leia também: DNA de filho leva a prisão de assassino em série nos EUA

Uma revisão do caso foi feita posteriormente e os policiais recorreram a um palinologista forense - um especialista em identificar pólen e sementes em cenas de crime.

A palinologista Patricia Wiltshire concluiu que a quantidade de pólen e matéria vegetal nas roupas de Chistopher indicavam que ele havia estado no jardim da casa de Read.

Um tijolo encontrado com o corpo da criança também teria passado pelo jardim da casa de Read, segundo a investigação. Neste ano, após um inquérito, a polícia concluiu que tinha provas conclusivas para incriminar Read pela morte do sobrinho.

    Leia tudo sobre: reino unidocrimesassassinatopólen

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG