Polícia alerta para invasão de batedores de carteira em Londres

Quadrilhas de ladrões do Leste Europeu e da América do Sul estariam planejando ações em massa durante as Olimpíadas, segundo Scotland Yard

BBC Brasil |

BBC

Quadrilhas organizadas de ladrões e batedores de carteira do Leste Europeu e da América do Sul estariam planejando ações em massa durante as Olimpíadas, de acordo com informações de inteligência recebidas pela Scotland Yard, a polícia metropolitana de Londres.

Para tentar evitar as ações, forças de segurança deram início a uma série de operações preventivas no Reino Unido. Uma delas ocorreu recentemente no bairro de Barking, na região leste de Londres.

Saiba mais: Acompanhe a cobertura completa sobre as Olimpíadas de Londres

O alvo era uma quadrilha de batedores de carteira romenos e lituanos. Duas casas tiveram as portas arrombadas e foram invadidas por policiais. Diversos suspeitos foram detidos para averiguação.

"Operações como essas são ações preventivas para tirar de ação batedores de carteiras antes que as primeiras levas de turistas cheguem à capital", disse o policial Mark Teodorini. "Nós sabemos onde eles estão. Conhecemos os endereços e os carros que estão usando. Arrombaremos suas portas e se encontrarmos qualquer coisa com eles (mercadoria furtada), nós os prenderemos", disse.

Outro objetivo da polícia britânica com as operações é dissuadir quadrilhas estrangeiras de viajar para Londres a fim de agir durante os Jogos.

Veja o vídeo sobre a ação de batedores de carteira na Europa:

Em uma lan house em Barcelona, membros de uma das gangues de batedores de carteiras da cidade afirmou à BBC estar se preparando para viajar ao Reino Unido.

Johnny, Mario e Danny - como três deles se apresentam - fazem parte de uma quadrilha romena formada por cerca de 50 criminosos que operam em Barcelona. Eles dizem que pretendem ganhar o "ouro" durante os Jogos em Londres.

Eles usam a internet para obter imagens de shoppings próximos à vila olímpica, estações de ônibus e metrô e outros locais lotados para escolher os melhores locais para atacar. Depois usam imagens de satélite - também obtidas na internet - para identificar rotas de fuga no lado leste de Londres.

Danny é batedor de carteiras desde os 7 anos de idade. "Está no sangue, é o que eu sei fazer. É o que fazemos bem", afirma enquanto furta a carteira do bolso repórter da BBC sem que ele perceba. "Eu faço mágicas com cartas para distrair os turistas e pronto - suas carteiras ou telefones se vão! Leva um segundo e suas férias são arruinadas", afirma Johnny.

Os batedores de carteiras dizem possuir "regras" para cometer furtar sem serem presos. As principais são não agir sob efeito de bebida alcoólica para não perder a agilidade e não roubar, pois assaltos chamam muito a atenção.

"Câmeras, notebooks e telefones são enviados de volta à Romênia para serem vendidos no mercado negro. Conseguimos lucrar até 5 mil euros em uma semana", diz um dos ladrões. Questionado se sente algum tipo de culpa, Johnny diz após hesitar: "Sim, eu sinto".

Ronaldinho

Uma das principais técnicas dos batedores de carteira foi apelidada por eles de "Ronaldinho" - em referência ao jogador de futebol brasileiro que comemora seus gols "dançando".

Em uma simulação feita a pedido da BBC com um repórter, Johnny se aproxima da vítima com um mapa pedindo informações. Logo depois Mario e Danny chegam abraçados simulando estarem bêbados, encostam na vítima e, em tom de brincadeira tentam convencê-la a dançar. Em seguida, todos correm em diferentes direções, já com a carteira do repórter.

Na tática, um dos criminosos é responsável pela distração. A tarefa do segundo é bater a carteira da vítima e entregá-la para o terceiro, que tem a função de correr e levá-la para longe.

"Em Londres a polícia terá que ser rápida para nos pegar", diz Johnny. "Nos vestiremos e agiremos como turistas. Não nos perceberão no meio da multidão. Somos muito rápidos", afirma.

Até agora, cerca de 80 suspeitos de furto foram presos no Reino Unido em operações destinadas a aumentar a segurança nas Olimpíadas. Cerca de 9 mil policiais extras foram designados para combater batedores de carteiras durante os Jogos.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG