Crise faz Exército britânico encolher e ser o menor em 200 anos

Com redução de 102 mil para 82 mil membros, efetivo do Reino Unido terá cerca de metade do tamanho que tinha na 2ª Guerra; oposição adverte para risco perante ameaças globais

BBC Brasil |

BBC

O Reino Unido anunciou nesta quinta-feira que realizará grandes cortes militares por causa da crise financeira, reduzindo de 102 mil para 82 mil o número de seu efetivo, o menor número em 200 anos.

Nos EUA:  Obama anuncia Exército mais enxuto e barato, com ênfase na Ásia

AFP
Soldados britânicos realizam patrulha em busca de militantes do Taleban no Afeganistão (15/05/2010)

Melhora do serviço: Exército dos EUA privatiza hotéis para economizar dinheiro

Segundo os novos planos, a serem aplicados até 2020, 17 unidades serão afetadas, incluindo cinco batalhões de infantaria. O Exército terá cerca de metade do tamanho que tinha durante a Guerra Fria.

Em 1978, ele tinha mais de 163 mil soldados. O governo disse que o futuro Exército britânico será constituído por duas partes, Forças de Reação, composta por soldados regulares, e Forças Adaptáveis, que incluirão soldados empregados ocasionalmente. O número de reservistas empregados ocasionalmente subirá de 15 mil para 30 mil.

Crítica

"Após herdar gastos enormes do último governo, tivemos de tomar decisões difíceis para implementar nossa visão de Forças Armadas formidáveis, adaptáveis e flexíveis", disse o ministro da Defesa britânico, Philip Hammond.

Trauma: Suicídios de soldados americanos superam mortes durante combate

O analista para assuntos de Defesa da BBC Jonathan Beale diz que o moral entre os militares britânicos é baixo e não será melhorado com o anúncio de duas novas levas de demissões.

O país tem cerca de 9,5 mil soldados no Afeganistão e o governo pretende diminuir o déficit gerado pelas Forças Armadas. Mas o Partido Trabalhista, de oposição, criticou a medida, argumentando que seria uma resposta inadequada para as ameaças globais e poderia colocar o país em risco.

    Leia tudo sobre: exércitoreino unidocrise econômica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG