Filha de britânicos presos por tráfico de drogas na Indonésia pode ficar órfã

Jardineiro cuida de menina de seis anos cujos pais, Rachel Dougall e Julian Ponder, podem ser condenados à morte

BBC Brasil |

selo

O governo britânico confirmou na quarta-feira que quatro britânicos - entre eles um casal - foram presos na Indonésia por tráfico de drogas. O casal possui uma filha que está no Reino Unido e pode ficar órfã, já que três dos presos podem ser condenados à pena de morte.

Leia também:  Pais de crianças britânicas mortas em incêndio são acusados de homicídio

Reuters
Julian Ponder e Rachel Dougall, que podem ser condenados à morte
Todos estão presos em Bali, onde são acusados de contrabandear o equivalente a quase US$ 2,5 milhões (R$ 5 milhões) em cocaína. 

O ministério das Relações Exteriores do Reino Unido confirmou que a polícia na Indonésia prendeu Rachel Dougall, Julian Ponder, Paul Beales e Lindsay Sandiford.

Rachel Dougall e Julian Ponder são casados e têm uma filha, que ainda está em Brighton, onde a família mora.

O tabloide The Sun entrevistou o jardineiro Dayu Ariani e sua esposa, que na ausência dos pais estão cuidando da menina de seis anos. "Nós temos que fingir que tudo vai dar certo. Ela acha que seus pais vão voltar para casa. Nós não podemos contar a verdade para ela", disse Ariani ao The Sun.

Prisão

Uma equipe de televisão da rede britânica ITV News filmou Rachel Douglas dizendo ser vítima de uma conspiração. Além disso, ela reclama que não está sendo bem tratada na prisão.

O pai de Rachel, Barry, disse que a família está passando por um "pesadelo". "Eu não consigo acreditar. Até onde eu sei, ela nunca se meteu em confusões antes, mesmo quando era mais jovem", disse Barry. "Vou tentar entrar em contato com o maior número de pessoas possíveis, e ver o que conseguimos fazer. Obviamente estamos sem poder fazer nada, já que ela está lá e eu estou aqui."

O oficial da alfândega da Indonésia Made Wijaya disse que os detidos pertencem a uma grande rede internacional, e confirmou que eles podem ser condenados à pena de morte. Uma das mulheres, Lindsay Sandiford, pode ser poupada de execução por ter colaborado na operação que levou à prisão do grupo.

A Indonésia possui uma das legislações antidrogas mais duras do mundo. No entanto, as condenações à pena de morte nem sempre resultam em execução. Das mais de 140 pessoas condenadas e ainda não executadas, um terço é de estrangeiros.

    Leia tudo sobre: indonésiareino unidopena de morteórfãosnarcotráficodrogas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG