Americano que fingiu por 6 anos ser mãe morta é condenado por fraude

Parkin usou peruca, vestidos, maquiagem e esmalte para continuar recebendo benefícios equivalentes a R$ 219 mil em nome de sua mãe

BBC Brasil |

selo

AP
Thomas Prusik-Parkin, vestido como sua mãe, e Mhilton Rimolo, em foto tirada de uma câmera de vigilância
Um homem que durante seis anos fingiu ser a própria mãe morta para receber pensão e outros benefícios no valor de US$ 115 mil (cerca de R$ 219 mil) foi condenado por 11 crimes, entre eles fraude, e pode ser sentenciado a até 83 anos.

Segundo promotores de Nova York, Thomas Prusik-Parkin, de 51 anos, foi condenado por "uma fraude elaborada". Desde que sua mãe, Irene Prusik, morreu, em 2003, aos 73 anos, Parkin usava peruca, vestidos, maquiagem, esmalte nas unhas e até uma bengala para enganar as autoridades.

Parkin também usava uma carteira de identidade falsa e era acompanhado por outro homem, Mhilton Rimolo, que fingia ser o sobrinho de Prusik.

Dados falsos

Segundo as acusações, quando sua mãe morreu, Parkin forneceu ao agente funerário um número de previdência social e data de nascimento falsos, para que a morte de Irene não aparecesse nos registros oficiais.

Durante os seis anos em que levou o esquema adiante, até ser preso, em 2009, Parkin teria recebido cerca de US$ 700 mensais em benefícios em nome da mãe. Ele também entrou com pedido de falência em nome da mãe, para receber US$ 39 mil em subsídios para ajudar a pagar o aluguel de sua casa.

"Segurei minha mãe quando ela estava morrendo e respirei seu último suspiro, então, sou minha mãe", disse Parkin ao ser preso, em 2009, de acordo com a polícia local. A sentença será anunciada no dia 21.

    Leia tudo sobre: euanova yorkThomas Prusik Parkin

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG