Barroso pede que premiê chinês evite reação negativa contra países da UE

Pequim, 25 abr (EFE).- O presidente da Comissão Européia (CE, órgão executivo da União Européia), José Manuel Barroso, falou hoje com o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, sobre importância de evitar reações negativas contra países do bloco europeu pelos distúrbios durante a passagem da tocha olímpica.

EFE |

Barroso se referia ao boicote contra o grupo francês Carrefour, "que não é útil", disse Barroso à imprensa.

"O Carrefour emprega na China majoritariamente chineses, e 96% dos produtos que vende são chineses. É com efeito uma companhia chinesa na China. Não faz sentido boicotá-la", acrescentou Barroso.

Hoje, em Xangai, o Carrefour anunciou que cancelará suas promoções no país asiático previstas para o 1º de maio, informou o jornal oficial "Shanghai Daily".

O Carrefour pretende evitar que sua campanha publicitária e promocional, planejadas a princípio para vários dias, desperte mais rancor nos internautas chineses que pedem o boicote e que convocaram protestos neste dia.

A França, país pelo qual a tocha olímpica passou em meio a protestos e incidentes, e cujo presidente, Nicolas Sarkozy, sugeriu a possibilidade de não assistir à cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos, se transformou em alvo da ira dos chineses. EFE pc/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG