Barack Obama e John McCain se encontram em Chicago

CHICAGO - CHICAGO (Reuters) - O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, e o adversário derrotado, o republicano John McCain, se encontraram nesta segunda-feira pela primeira vez desde as eleições de 4 de novembro e se comprometeram a trabalharem juntos para enfrentar a crise financeira e outros desafios nacionais.

Redação com agências internacionais |

"Nós teremos uma boa conversa sobre como podemos trabalhar juntos para arrumar o país", disse Obama, acrescentando que ele gostaria de agradecer a McCain pelo apoio que ele prestou ao país.

Ao ser questionado se iria ajudar o democrata eleito presidente, McCain respondeu: "Obviamente".

Desde a vitória, Obama tem se dedicado aos planos de transição para a Casa Branca e à escolha de candidatos para o seu gabinete quando ele assumir a Presidência no dia 20 de janeiro. Ele garantiu incluir republicanos em sua administração.

McCain, senador pelo Estado do Arizona, não deve se oferecer para nenhum cargo na administração de Obama, mas prometeu, em um discurso cortês no dia 4 de novembro, trabalhar com o presidente eleito.

O ex-prisioneiro de guerra no Vietnã fez duras críticas durante a campanha eleitoral usando como alvo a falta de experiência de Obama. Em resposta, o democrata acusou McCain de ter como plano melhorar as políticas do impopular presidente George W. Bush.

McCain compareceu à reunião acompanhado pelo amigo e colega senador Lindsey Graham, da Carolina do Sul. Obama foi acompanhado de seu chefe de gabinete, o republicano Rahm Emanuel.


Obama e McCain se encontraram em Chicago, no escritório do democrata / AP

"Restaurar estatura moral"

O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, prometeu reconstruir "a estatura moral" dos Estados Unidos no mundo em sua primeira entrevista desde que ganhou a disputa para a Casa Branca. Obama disse que pretende retirar as tropas americanas do Iraque, melhorar a situação no Afeganistão e fechar a prisão em Guantánamo, em entrevista ao programa 60 minutes, da rede americana CBS, que foi ao ar no domingo.

"Eu vou me certificar de que nós não vamos torturar", afirmou o presidente eleito.

Obama também prometeu fazer "o que for necessário" para estabilizar a economia americana, com ajudas financeiras à indústria automobilística e a mutuários. ( Leia na íntegra )

Leia mais sobre Barack Obama

* Com EFE

    Leia tudo sobre: obama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG