Banco da Itália diz que crescimento do país é um dos menores da Europa

Roma, 13 fev (EFE).- O presidente do Banco (central) da Itália, Mario Draghi, disse hoje que a taxa de crescimento da economia nacional é baixa e está entre as menores da Europa, situação que exige reformas estruturais para que o país se torne mais competitivo.

EFE |

Em um congresso sobre o mercado cambial realizado em Nápoles, Draghi fez um alerta ao Governo italiano, que ontem divulgou que o Produto Interno Bruto (PIB) caiu 4,9% em 2009, a maior retração desde 1971.

"Estamos agora saindo da crise com uma taxa de crescimento baixa, uma das menores da Europa", destacou Draghi.

As palavras do presidente do Banco da Itália contrastam com as contínuas mensagens de otimismo lançadas pelo Executivo de Silvio Berlusconi, que nas últimas semanas se gabou de ter tornado a economia italiana uma das mais fortes da Europa e uma das menos afetadas pela crise global no continente.

"A queda na produção e de renda foi enorme. A rede de proteção social, embora não tenha sido reformada organicamente, foi oportunamente estendida para amenizar o desemprego e o desamparo social", acrescentou Draghi.

"Mas um crescimento econômico sustentado é a base do bem-estar, é o pressuposto da estabilidade financeira para um país com uma elevada dívida pública como a Itália, e é futuro para os jovens, dignidade para os idosos", acrescentou.

Segundo o presidente do Banco da Itália, existem condições para as autoridades promoverem reformas estruturais na economia italiana, que, sem elas, há "15 anos perde competitividade".

Na avaliação de Draghi, até que a queda do desemprego na Itália seja contida, o "risco de repercussões" sobre o consumo e, portanto, sobre o PIB continuará existindo. EFE mcs/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG