Banco Crédit Suisse vai pagar multa recorde aos EUA

O Tesouro dos Estados Unidos e o Crédit Suisse confirmaram nesta quarta-feira que o banco suíço aceitou pagar uma multa recorde de 536 milhões de dólares por pagamentos ilícitos efetuados em países submetidos a sanções americanas, entre os quais o Irã.

AFP |

O banco de Zurique informou em comunicado ter "concluído um acordo" com as autoridades americanas sobre "as investigações de pagamentos feitos em dólares americanos entre 2002 e 2007 em países submetidos a sanções econômicas americanas".

O Tesouro destacou em outro comunicado que a quantia de 536 milhões de dólares é a multa mais elevada já aplicada em um caso desse tipo.

Uma entrevista coletiva estava prevista para a tarde desta quarta-feira em Washington com representantes do Tesouro, do ministério da Justiça, do FBI e dos serviços fiscais (IRS).

Um porta-voz do Crédito Suisse recusou-se a indicar se o acordo envolvia transferências de dinheiro para o Irã, mas ressaltou que depois das investigações conduzidas pelas autoridades americanas, o banco fechou seu escritório de Teerã já em 2006.

A Finma, responsável pela vigilância dos mercados financeiros na Suíça, "advertiu o banco e pediu medidas disciplinares", segundo um comunicado.

O Crédit Suisse terá que fazer um relatório sobre as providências tomadas para evitar outros incidentes deste tipo, frisou um porta-voz.

A justiça americana confirmou em janeiro estar investigando nove bancos europeus suspeitos de terem ajudado o Irã e outros regimes considerados hostis a contornar as sanções americanas falsificando borderôs de pagamentos bancários internacionais.

O banco britânico Llyods TBS Bank admitiu logo em seguida ter facilitado pagamentos feitos por cidadãos de países como o Irã ou o Sudão e aceitou pagar uma multa de 350 milhões de dólares para evitar um processo.

ale/yw/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG