Banco Central anuncia corte de 1 ponto na taxa básica de juros

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) anunciou, na noite desta quarta-feira, um corte de 1 ponto percentual na taxa básica de juros do país. Esta foi a quarta redução consecutiva da taxa Selic pelo Comitê de Política Monetária.

BBC Brasil |

Com o corte, a taxa básica de juros passa a ser de 9,25% ao ano.

De acordo com um comunicado divulgado pelo Banco Central na noite desta quarta-feira, a redução de 1 ponto percentual foi defendida por seis membros do Comitê, enquanto outros dois votos foram pela redução de 0,75 ponto percentual.

"Tendo em vista as perspectivas para a inflação em relação à trajetória de metas, o Copom decidiu reduzir a taxa Selic para 9,25% a.a., sem viés, por seis votos a favor e dois votos pela redução da taxa Selic em 0,75 p.p.".

Esta é a primeira vez na série histórica, iniciada em 1996, em que a taxa de juros fica abaixo dos dois dígitos.

Na última reunião do Copom, em 29 de abril, a taxa básica de juros também havia sido reduzida em 1 ponto percentual, chegando a 10,25% ao ano.

Na reunião anterior, em 11 de março, o corte havia sido maior, de 1,5 ponto. A taxa também foi reduzida em 1 ponto percentual na primeira reunião deste ano, em 21 de janeiro.

Parcimônia
No mesmo comunicado em que anunciou o corte na taxa básica de juros, o Copom afirmou, no entanto, que "qualquer flexibilização monetária adicional deverá ser implementada de maneira mais parcimoniosa".

"Levando em conta que mudanças da taxa básica de juros têm efeitos sobre a atividade econômica e sobre a dinâmica inflacionária que se acumulam ao longo do tempo, o Comitê concorda que qualquer flexibilização monetária adicional deverá ser implementada de maneira mais parcimoniosa", diz o comunicado.

A próxima reunião do Comitê de Política Monetária está marcada par os dias 21 e 22 de julho.

Até lá, de acordo com o Banco Central, "o Copom acompanhará atentamente a evolução do cenário prospectivo para então definir os próximos passos da estratégia de política monetária".

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG