Ban pede ao CS mais transparência sobre arsenais nucleares

Nações Unidas, 24 set (EFE).- O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu hoje ao Conselho de Segurança das Nações Unidas que aborde as maneiras de aumentar a transparência dos programas de armas dos países que reconhecem ter um arsenal nuclear.

EFE |

Ban fez este pedido ao Conselho, depois que o principal órgão de decisões das Nações Unidas aprovasse por unanimidade uma resolução proposta pelos Estados Unidos que busca eliminar a proliferação nuclear e os testes atômicos, para que o mundo fique livre dessas armas e diminua os riscos de terrorismo.

"Peço ao Conselho de Segurança que aproveite este momento. Isso não deve ser algo de um dia", disse Ban, que em seguida pediu a esse órgão que trabalhe nas "maneiras de aumentar a transparência e a abertura dos programas de armamento dos países que reconhecem ter armas nucleares".

O secretário-geral da ONU incentivou "os Estados presentes com armas nucleares que considerem medidas adicionais para reforçar a segurança, com o objetivo final da total eliminação".

Este Conselho de Segurança, presidido pelos EUA, conta com a presença da França, Reino Unido, Rússia e China, como membros permanentes, além da Costa Rica, Croácia, México, Áustria, Vietnã, Uganda, Burkina Fasso, Líbia, Japão e Turquia, como não-permanentes.

Entre eles, só os cinco membros permanentes têm armamento nuclear.

A resolução aprovada pede aos países signatários do Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP) que respeitem suas obrigações e pressiona as que não assinaram o acordo a fazer isso.

O TNP foi assinado por 148 nações, mas só entrará em vigor se for assinado por EUA, China, Índia, Indonésia, Paquistão, Israel, Egito e Coreia do Norte.

"Iniciem consultas a respeito. A Secretaria-Geral está preparada para ajudá-los", disse o principal responsável das Nações Unidas, que lhes lembrou que a organização já dispõe de ferramentas para isso, entre elas, a Conferência sobre Desarmamento.

Acrescentou que o Conselho deve promover a universalidade da adesão aos tratados mais importantes nessa área, assim como melhorar seu cumprimento e avaliar a necessidade da adoção de novos tratados.

"Também poderia reiterar a necessidade da pronta entrada em vigor do Tratado de Proibição Total de Testes Nucleares (CTBT, em inglês)", disse Ban, que ressaltou que "o desarmamento e a não-proliferação vão de mãos dadas".

Ban também deu as boas-vindas à participação dos EUA, o que considerou que "mostra seu compromisso" em trabalhar na ratificação do TNP. EFE emm/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG