Ban diz que saída de Bakiyev contribui para estabilidade no Quirguistão

Nações Unidas, 15 abr (EFE).- O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse hoje que a saída do presidente deposto Kurmanbek Bakiyev do Quirguistão contribuirá para a estabilidade e a pacificação do país.

EFE |

"O secretário-geral considera que é um passo importante rumo ao desenvolvimento pacífico, estável, próspero e democrático do país, assim como para seu bom Governo", disse em comunicado o porta-voz da ONU, Martin Nesirky.

Por isso, segundo Nesirky, o secretário-geral da ONU "comemora" o acordo alcançado por Bakiyev com o Governo provisório quirguiz que permite a saída do país do presidente deposto.

O porta-voz apontou que as Nações Unidas, junto com seus parceiros regionais e internacionais, estão dispostas a colaborar com as autoridades em Bishkek para benefício do povo do Quirguistão.

"O secretário-geral ressalta a importância de garantir o respeito universal dos princípios humanitários internacionais e dos direitos humanos, assim como a justiça e a responsabilidade", acrescentou.

A bordo de um avião militar, Bakiyev abandonou hoje o sul do Quirguistão, onde tinha se refugiado desde os violentos distúrbios em Bishkek da semana passada, para exilar-se provisoriamente no Cazaquistão.

A Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE) anunciou que a ida de Bakiyev foi organizada com os presidentes do Cazaquistão, Nursultan Nazarbayev; dos Estados Unidos, Barack Obama; e da Rússia, Dmitri Medvedev, com a mediação da ONU e da União Europeia (UE).

Agora, o Governo provisório quer que o irmão de Bakiyev, Zhanish, chefe do Serviço de Proteção Estatal, se entregue. Ele é procurado pela Justiça por ordenar disparar contra os manifestantes durante a tomada da sede do Governo quirguiz.

Acusado pela oposição de autoritarismo, nepotismo, abusos e corrupção, o presidente deposto fugiu de Bishkek após os violentos choques entre suas forças de segurança e manifestantes, no último dia 7, deixando mais de 80 mortos e 1.600 feridos. EFE jju/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG