Ban diz que mudança climática é uma crise em grande escala

Genebra, 31 ago (EFE) - O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, definiu hoje o fenômeno da mudança climática como uma crise em grande escala e defendeu a união de esforços para poder lutar globalmente contra o problema. A mudança climática já não é um fenômeno novo, é uma crise em grande escala, o que faz com que seja cada vez mais difícil resolvê-la, disse Ban Ki-moon durante seu discurso na cerimônia de comemoração do 20º aniversário do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). O secretário-geral da ONU se mostrou relativamente otimista com os esforços feitos para lutar contra a mudança climática. Estamos progredindo, mas não ao ritmo que gostaríamos, destacou.

EFE |

No entanto, parabenizou reiteradamente o IPCC por seu trabalho e por ter conseguido acabar com todos "os ceticismos".

Ban disse que era "responsabilidade histórica" das nações reverter os estragos já causados, e destacou que é "uma responsabilidade global".

Por isso, ele pediu aos países desenvolvidos e aos emergentes para se comprometer com a causa.

De fato, ressaltou que a mudança climática, a pobreza e a crise alimentícia são as três maiores crises enfrentadas pelo mundo hoje em dia, e lembrou que a ONU trabalha levando em consideração a inter-relação das três.

Por sua vez, o diretor do IPCC, Rajendra Pachauri, agradeceu a Ban Ki-moon por seu compromisso, e lembrou aos presentes que os resultados científicos mostram uma piora progressiva dos fenômenos meteorológicos extremos, por isso defendeu obter o mais rápido possível um compromisso.

As negociações mundiais para lutar globalmente contra a mudança climática continuam atualmente após vários encontros internacionais, e está previsto que concluam em reunião que acontecerá em Copenhague em dezembro de 2009.

"Precisamos avançar para conseguir um acordo marco antes de Copenhague", acrescentou o secretário-geral.

A cerimônia também serviu para lançar a 29ª sessão plenária do IPCC, que acontecerá durante toda a semana.

Após a cerimônia, Ban Ki-moon se dirigiu à Organização Européia para Pesquisa Nuclear (Cern), onde em 10 de setembro ocorrerá uma das experiências científicas mais importantes das últimas décadas.

A Cern iniciará o acelerador de prótons (LHC) que eventualmente permitirá estabelecer as mesmas condições existentes na criação do universo.

Na segunda-feira, o secretário-geral presidirá um ato em memória das vítimas do atentado contra a sede das Nações Unidas em Bagdá em 19 de agosto de 2003, no qual morreram mais de 20 funcionários, entre eles o enviado especial, o brasileiro Sérgio Vieira de Mello.

Após a cerimônia, Ban Ki-moon partirá para a Espanha. EFE mh/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG