Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Ban diz que avanços para atingir Objetivos do Milênio não são suficientes

Zaragoza (Espanha), 1 set (EFE) - O secretário-geral das Nações Unidas, o sul-coreano Ban Ki-moon, disse hoje que os avanços para cumprir os Objetivos do Desenvolvimento do Milênio não são suficientes e insistiu em que os diferentes segmentos da sociedade têm muito trabalho a fazer até 2015.

EFE |

Ban Ki-moon discursou hoje em um ato durante a Exposição Internacional Zaragoza 2008, dedicada à água e ao desenvolvimento sustentável, onde ressaltou que a ONU está comprometida a "promover um acesso seguro à água e ao saneamento".

São assuntos que fazem parte dos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio, estipulados em 2000 e que incluem também outras metas em áreas como a redução da pobreza e da fome e a melhora da saúde e da educação.

Em sua opinião, houve "progressos" nessa direção, mas "não são suficientes", já que só se reduziu em 10% o número de pessoas sem acesso à água potável e serviços de saneamento, devido sobretudo "ao aumento da população e à pobreza que prevalece no mundo em vias de desenvolvimento".

Há 2,5 bilhões de pessoas no mundo que "não têm acesso à água e a saneamento", disse o secretário-geral da ONU.

Ele também insistiu em que a comunidade internacional, os Governos nacionais e os setores privados e sem fins lucrativos "têm muito trabalho a fazer a partir de agora e até 2015", data estipulada para alcançar os objetivos.

Neste sentido, afirmou que o investimento do setor privado nesse âmbito "não está no nível" desejado e "o ritmo das reformas institucionais e políticas no setor hídrico é lento".

É uma situação que se complica ainda mais com "o rápido crescimento dos subúrbios urbanos" e "a mudança climática".

Ele alertou para que "os povos e nações que dependem da neve e das geleiras para renovar suas reservas de água têm razões muito sérias para se preocupar", e mais ainda quando cabe a possibilidade de que isso gere uma "crise alimentícia" que afetaria sobretudo os países africanos. EFE rco/db

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG