Bacia larga do Homo erectus permitiu bebês inteligentes, diz estudo

Seres humanos mais inteligentes se desenvolveram porque seus ancestrais do sexo feminino tinham a bacia mais larga que lhes permitiu dar à luz bebês com cérebros maiores, sugeriu o estudo de um fóssil de 1,2 milhão de anos. A reconstituição do fóssil da bacia de uma fêmea descoberta em 2001, na região de Afar, na Etiópia, levou os pesquisadores a especularem que os homens primitivos estavam mais equipados do que se imaginava para produzir bebês com cérebros maiores do que se acreditava anteriormente.

BBC Brasil |

"Esta é a mais completa pelve de fêmea de Homo erectus desse período já encontrada", disse Sileshi Semaw, da Universidade de Indiana, em Bloomington, nos Estados Unidos.

"Esta descoberta nos dá informações mais precisas sobre a pelve do Homo erectus e, portanto, sobre o tamanho de seus recém-nascidos".

Modelos antigos
"Em termos de hominídeos ancestrais, tudo o que tínhamos até agora como fóssil de pelve era Lucy (de 3,2 milhões de anos e também descoberta na Etiópia), e que era muito mais antiga que os humanos modernos", afirmou Sileshi Semaw.

O estudo, divulgado na quinta feira na revista Science, comparou ainda dados que haviam sido estimados anteriormente com base em um fóssil da pelve de um jovem macho encontrado no Quênia, e que datava de 1,5 milhão de anos.

Semaw e sua equipe estabeleceram que o fóssil da bacia de 1,2 milhão de anos era 30% maior do que o cálculo feito a partir do fóssil queniano.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG