Bachelet reformulará gabinete para eleições presidenciais de 2009

Santiago do Chile, 27 out (EFE) - A presidente do Chile, Michelle Bachelet, fará, em novembro, mudanças em seu gabinete visando às eleições presidenciais de 2009, informaram hoje fontes oficiais.

EFE |

A medida foi adotada após o revés eleitoral sofrido no domingo pela Concertação, coalizão de centro-esquerda que governa o país desde 1990, nas eleições municipais, apesar de ter se mantido como a principal legenda na eleição de vereadores.

A oposição direitista obteve 40,56% na eleição de prefeitos e governará na maioria das capitais regionais, incluindo Santiago e Valparaíso, enquanto o Governo obteve 38,46%, uma redução de 203 a 147 em números de prefeitos em nível nacional.

"(Bachelet) Nos comunicou de que no decorrer do mês de novembro, vai conversar com cada um dos ministros para saber quem sairá e quem a acompanhará até o final", disse o ministro do Interior, Edmundo Pérez Yoma, à "Radio Cooperativa".

Ele informou que a data limite para os ajustes ministeriais é 11 de dezembro, "não estamos falando de nada iminente", ressaltou Pérez Yoma sobre o prazo que terão os ministros que quiserem se candidatar às eleições de dezembro de 2009, nas quais também será renovado o Congresso.

Consultado sobre sua decisão, Pérez Yoma afirmou que deseja se continuar com Bachelet até o final de seu mandato, "a menos que ela defina outra coisa", e descartou concorrer como senador.

O ministro do Interior admitiu que a Concertação sofreu uma "grande perda" em prefeitos pela "dispersão, a falta de unidade, por não levar em conta melhor os fatores regionais".

"Os que propiciaram as duas listas devem reconhecer seu erro e nunca mais, (porque) a desunião é fortemente castigada", sustentou.

Nas eleições, a Concertação, pela primeira vez, concorreu às urnas com duas listas separadas para a eleição de vereadores.

Nessa mesma linha, a chefe de Estado insistiu hoje em que só com "unidade, unidade e mais unidade" a coalizão terá possibilidades de ganhar um quinto Governo dentro de um ano. EFE pg/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG