deixou pelo menos 723 mortos no país." / deixou pelo menos 723 mortos no país." /

Bachelet envia 7 mil soldados à zona afetada por terremoto

A presidente do Chile, Michelle Bachelet, anunciou na tarde desta segunda-feira o envio de 7 mil soldados às regiões de Maule e Bío Bío, as mais afetadas pelo terremoto de 8,8 graus de magnitude que aconteceu na madrugada de sábado e http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2010/03/01/sobe+para+723+o+numero+de+mortos+no+terremoto+do+chile+9412895.htmldeixou pelo menos 723 mortos no país.

iG São Paulo |

O anúncio foi feito enquanto a cidade chilena de Concepción,  localizada na região de Bío Bío e a 515 quilômetros de Santiago, parecia fora de controle nesta segunda-feira, sufocada por saques, roubos e confrontos desde domingo.

Dezenas de moradores da cidade  saquearam e incendiaram um supermercado e um centro de abastecimento na tarde desta segunda-feira . Além disso, um grupo invadiu um quartel dos bombeiros em busca de gasolina e água, agredindo soldados e danificando instalações e veículos. Concepción é a segunda maior do Chile com 670 mil habitantes.

AFP
Soldados patrulham ruas de Concepción

Soldados patrulham ruas de Concepción

A prefeita Jacqueline van Rysselberghe disse que "os saqueadores estão mais organizados" e "ameaçam a cidade". Ela pediu ao governo o envio de mais soldados para tentar restaurar a ordem. A polícia lançou gás lacrimogêneo contra os saqueadores.

Desde a noite de domingo, os saques ocorrem também em residências, onde os moradores tentam se organizar para se defender. Num ambiente de guerra, duplas de militares se posicionam em cada esquina do centro da cidade.

Por causa dos saques em supermercados e residências, o governo decidiu no domingo militarizar a cidade e decretar um toque de recolher durante a noite. "Não é aceitável o saque e a delinquência", disse Bachelet.

Os policiais trocaram o uniforme tradicional por capacetes e coletes à prova de balas. Helicópteros sobrevoam a cidade, e dezenas de blindados começaram a desfilar pelas ruas .

As poucas pessoas com acesso à distribuição oficial de alimentos estavam sob escola policial para evitar roubos e agressões.

"A ajuda do governo tem sido lentíssima, muito lenta. Os militares só começaram a chegar ontem, e isso não basta para controlar a situação. Os moradores de onde eu moro se organizaram para nos defender, porque estão saqueando casas", disse a professora Carolina Contreras, 36 anos.

No primeiro dia o toque de recolher vigorou das 21 horas às 6 horas. Nesta segunda-feira, foi estendido das 20 horas ao meio-dia de terça-feira. A decretação do toque de recolher foi a primeira desde o final da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

*Com informações da EFE e Reuters

Leia também:

Leia mais sobre terremoto

    Leia tudo sobre: chileterremototerremoto no chiletragédia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG