Santiago do Chile, 29 abr (EFE).- A presidente do Chile, Michelle Bachelet, afirmou hoje que nenhum país pode se considerar imune ao surto de gripe suína originado no México e que se expandiu por outros países, e não descartou que haja pessoas infectadas em sua nação.

"Não se pode descartar que haja um caso entre nós", disse Bachelet em mensagem aos compatriotas no Palácio da Moeda, mas ressaltou que foram tomadas "todas as medidas preventivas", e lembrou que todos os 26 pacientes suspeitos até o momento deram resultados negativos.

"Compreendo a preocupação da população com que o vírus chegue ao Chile, mas isso não ocorreu", explicou.

Bachelet pediu calma aos chilenos e afirmou que as autoridades "devem atuar com responsabilidade e não alertar com projeções temerárias", em alusão ao senador socialdemocrata Guido Girardi, que disse que, no Chile, as mortes pela gripe suína poderiam chegar "facilmente a 100 mil".

"As vozes alarmistas não ajudam a enfrentar esta situação", disse a presidente do Chile, que pediu a todos os segmentos da sociedade, políticos, imprensa e autoridades para não provocar inquietação na população.

Bachelet pediu aos chilenos para seguir as recomendações da autoridade sanitária, e destacou que a rede de saúde está preparada para atender a eventuais pacientes que possam contrair a doença.

Caso o vírus chegue ao Chile, "estamos adotando todas as medidas para diminuir o impacto", ressaltou. EFE ns/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.