Avião com Michelle Obama aborta pouso por erro de controlador

Primeira-dama dos EUA viajava a bordo de um Boeing 737 da frota de aviões presidenciais quando houve o erro da torre de controle

EFE |

O avião em que viajava a primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, abortou nesta terça-feira a manobra de aterrissagem que faria ao se aproximar perigosamente de uma aeronave de carga militar, devido a um erro do controlador aéreo de plantão, informou a imprensa americana.

AP
Jill Biden, esposa do vice-presidente americano, Joe Biden, e Michelle Obama estavam em avião que teve pouso abortado nos EUA
A primeira-dama retornava de uma viagem a Nova York, onde participou de uma série de eventos em homenagem aos veteranos de guerra, junto a Jill Biden, esposa do vice-presidente americano, Joe Biden.

Michelle Obama viajava a bordo de um Boeing 737 pertencente à frota de aviões presidenciais quando houve o erro na manobra de aproximação final na Base Militar de Andrews, no estado americano de Maryland, ao lado de Washington D.C.

Funcionários da Administração Federal de Aviação (FAA) confirmaram nesta terça-feira que a primeira-dama se encontrava a bordo da aeronave, mas não fizeram mais comentários.

No último momento, os controladores da base militar temiam que o avião de carga C-17 - com 200 toneladas a bordo - que precedia a aeronave de Michelle não se retirasse a tempo da pista de pouso, e por isso determinaram o abortamento da aterrissagem do Boeing.

Os controladores da torre de Andrews, que falaram na condição de anonimato, disseram que os dois aviões estavam próximos demais quando o controlador do centro de radares de Warrenton lhes passou a responsabilidade de ambos.

A FAA, muito criticada nas últimas semanas depois que vários controladores aéreos dormiram em serviço, já abriu uma investigação para esclarecer o que houve no centro de controle de Warrenton.

Devido às turbulências que um avião pode causar ao aterrissar, a FAA tem normas estritas para manter a distância entre as aeronaves. A distância mínima é de 8 quilômetros. O C-17 e o Boeing estavam, aparentemente, a cerca de 4,8 quilômetros distantes um do outro.

    Leia tudo sobre: EUAAVIAÇÃOmichelle obama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG