Avião Air France: Brasil realiza buscas a 1.100 km de suas costas

A FAB (Força Aérea Brasileira) está realizando nesta segunda-feira importantes operações de busca para encontrar o avião da Air France da rota Rio de Janeiro-Paris que desapareceu no fim da noite de domingo com 228 pessoas a bordo no Oceano Atlântico, indicaram as autoridades brasileiras.

AFP |

Sete aviões e helicópteros, mais três navios, participam das buscas em uma zona situada a mais de 1.100 km ao nordeste das costas brasileiras.

O desaparecimento deste Airbus A330 da Air France chocou o Brasil: cerca de 60 passageiros são brasileiros. Todas as rádios e televisões locais transmitem sem interrupção informações sobre este desaparecimento ainda não explicado.

O voo AF 447 deixou o Rio na noite de domingo, por volta das 19H00 local e devia chegar segunda-feira às 11H10 de Paris ao aeroporto de Roissy. Ele desapareceu dos radares de controle quando sobrevoava o Atlântico, com 216 passageiros, dos quais sete crianças e um bebê, mais 12 membros da tripulação, todos franceses.

Passageiros de 32 nacionalidades, entre eles 61 franceses, 58 brasileiros e 26 alemães estavam a bordo do Rio-Paris da Air France desaparecido, segundo o ministério francês encarregado dos Transportes.

"Esta é a pior catástrofe da Air France dos últimos 70 anos, quando a companhia foi criada", afirmou o cônsul da França no Rio, Hughes Goisbault, em uma coletiva de imprensa no aeroporto internacional Tom Jobim.

Pela manhã, as primeiras famílias chegaram ao aeroporto para ter notícias de seus parentes e foram levadas a uma sala preparada para recebê-las com médicos e psicólogos.

As buscas aéreas se concentravam em uma zona a mais de 1.100 km das costas brasileiras, ao norte e nordeste da cidade brasileira de Natal, declarou à AFP um porta-voz da FAB.

"Estamos trabalhando sobre o último contato que tivemos com a aeronave", explicou.

A zona de busca fica a 820 km do arquipélago turístico brasileiro de Fernando de Noronha, no limite dos espaços aéreos do Brasil e de Senegal, e coincide com a última comunicação rádio automática emitida pelo avião, às 01H33 GMT.

"Não privilegiamos nenhuma hipótese. Consideramos o avião como desaparecido e não fazemos nenhuma especulação" sobre as chances de encontrar sobreviventes ou sobre a causa do desaparecimento da aeronave.

bur-ml/lm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG