Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Autoridades são suspeitas de ocultarem número de mortos em acidente na China

Pequim, 18 set (EFE).- Autoridades locais de Shanxi (norte da China) são suspeitas de ocultarem deliberadamente o número de corpos encontrados para reduzirem o número de mortes causadas pelo desabamento de uma mina ilegal no último dia 8, no qual morreram 260 pessoas, disse hoje o jornal oficial China Daily.

EFE |

A publicação, que cita fontes da administração nacional de segurança do trabalho, revela as suspeitas de corrupção no Governo provincial de Shanxi (norte) após ocultar 51 cadáveres.

No último dia 13, os suspeitos asseguraram que o número total de mortos era de 187 pessoas, quando na realidade haviam sido encontrados até aquele momento 238 corpos.

"A omissão pode ter causado um atraso nas operações de resgate pertinentes", segundo Huang Yi, porta-voz do órgão.

Huang explicou que uma comissão especial está investigando se os oficiais mentiram deliberadamente ou, como os acusados asseguram, os familiares das vítimas retiraram os 51 corpos sem avisar.

O porta-voz também disse que as suspeitas se ampliam ao uso de práticas pouco eficientes na entrega de licenças para escavações em minas da região.

"O que estavam fazendo as autoridades locais quando a mina funcionava sob seus narizes? É necessário iniciar obrigatoriamente uma investigação a respeito", declarou Huang ao jornal.

Uma montanha de 268 mil metros cúbicos de resíduos e pedras desabou no último dia 8 por causa da chuva que caiu sobre a mina Tashan, no distrito de Xiangfen (Linfen), província ao norte de Shanxi.

Segundo as investigações preliminares da mina de Tashan, a montanha de resíduos acumulado superou a capacidade do tanque que a sustentava.

O desastre já motivou a renúncia do presidente da província de Shanxi, Meng Xuenong, ex-prefeito de Pequim.

As minas chinesas, em particular as de carvão, são as que registram o maior índice de acidentes do mundo, com 3.786 mortes em 2007, embora este número represente uma queda de 20% em relação ao ano anterior. EFE gmp/fh/fal

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG