Autoridades reduzem para 30 número de mortos em incêndio em avião no Sudão

Cartum, 10 jun (EFE) - As autoridades sudanesas reduziram para 30 o número de mortos no incêndio do avião das Linhas Aéreas Sudanesas com 204 passageiros a bordo registrado hoje no aeroporto de Cartum, procedente de Damasco (Síria) e Amã (Jordânia). Fontes policiais encarregadas da segurança do aeroporto disseram à imprensa local que mais de 20 pessoas ficaram feridas no acidente, a maioria delas turistas de nacionalidade sudanesa. A maior parte dos passageiros conseguiu sair da aeronave sozinha antes que o incêndio atingisse todo o aparelho. Inicialmente, a televisão oficial havia informado que pelo menos a metade dos passageiros havia morrido. O avião procedia da Síria e de Amã e tinha feito escala no aeroporto de Porto Sudão, situado no Mar Vermelho, antes de seguir para a capital sudanesa, onde as más condições meteorológicas atrasaram em vários minutos seu pouso. Segundo fontes do aeroporto de Cartum, o incêndio começou na turbina da asa direita do aparelho, pouco depois da aterrissagem. Assim que pousou, o avião saiu da pista, que estava molhada pela chuva, antes de parar, abrir as portas e estender as rampas de emergência. Posteriormente, o incêndio se estendeu por todo o avião antes que a metade dos passageiros, segundo a televisão sudanesa, conseguisse abandoná-lo através das saídas de emergência. O diretor da Polícia do Aeroporto de Cartum, Mohammed Ozman Mohammed Noor, explicou à emissora de televisão catariana Al Jazira que o ...

EFE |

Após o incidente, as forças de segurança fecharam o aeroporto e várias equipes de bombeiros e das forças de Defesa Civil chegaram ao local para ajudar as vítimas.

Em imagens exibidas pela televisão sudanesa era possível ver vários bombeiros tentando controlar o incêndio e como as chamas envolviam todo o aparelho, que tinha as rampas de emergência estendidas.

Segundo a televisão, até o momento as equipes de resgate conseguiram retirar quatro corpos do avião.

Fontes médicas afirmaram que os feridos estão sendo atendidos em quatro centros e que alguns deles já receberam alta, mas não especificaram o número.

Os pacientes tiveram ferimentos, algumas fraturas, contusões e sintomas de asfixia, segundo estas fontes.

O deputado sudanês Muhamad Abbas Fadami, que estava no avião, disse à rede de TV "Al Jazira" que ele e outros passageiros conseguiram sair do aparelho pela porta de emergência antes de o fogo se espalhar.

Fadami não soube dizer quantas pessoas saíram da aeronave, mas declarou que mais da metade dos ocupantes teria se salvado. EFE az/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG