Autoridades não perdem a esperança de resgatar mineiros presos na Ucrânia

Kiev, 8 jun (EFE).- A comissão governamental criada para tratar do resgate dos 37 mineiros presos em uma mina de carvão na região ucraniana de Donetsk após a explosão por acúmulo de gás metano informou que continuarão durante toda a noite os trabalhos.

EFE |

"Há esperança de que os mineiros ainda estejam vivos. A aproximadamente 700 metros de profundidade vozes são ouvidas", declarou Aleksandr Turchinov, vice-primeiro-ministro da Ucrânia, citado pela televisão pública.

O funcionário acrescentou que os membros das equipes de salvamento "já se encontram a 625 metros de profundidade, mas não podem continuar, já que o caminho está bloqueado".

O vice-primeiro-ministro afirmou que resta pouco tempo para as equipes de resgate salvarem os mineiros, já que em questão de horas as galerias ficarão inundadas.

Para isto, acrescentou, deverá ser instaladas sem demora uma bomba de água para drenar as galerias da mina Karl Marx.

"Os mineiros mais velhos não lembram de uma explosão de tamanha magnitude. Não provocou apenas a destruição da mina, mas afetou toda a região", declarou.

Apesar disto, a comissão governamental criada para atuar em relação à tragédia informou que os trabalhos de resgate continuarão durante toda a noite.

Os mineiros ficaram presos exatamente quando realizavam trabalhos de reparação em uma das galerias, já que a mina é considerada uma das mais perigosas da bacia carvoeira de Donetsk.

Quatro operários, três deles do sexo feminino, ficaram feridos e tiveram que ser hospitalizados com queimaduras.

A explosão por acúmulo de gás metano ocorreu por volta das 5h (23h de Brasília de sábado) a uma profundidade de quase mil metros.

Familiares dos trabalhadores presos se reuniram nas imediações das jazidas.

As minas ucranianas, especialmente as jazidas da bacia carvoeira da região de Donetsk, estão entre as mais perigosas do mundo, pois todo ano em seus poços ocorrem dezenas de acidentes que causam centenas de mortes. EFE bk/bm/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG