Autoridades investigam trajeto de avião etíope antes de desastre

Por Yara Bayoumy BEIRUTE (Reuters) - O piloto de um avião etíope que caiu perto da costa libanesa não respondeu à solicitação de mudança de direção antes que o contato fosse cortado, afirmou o ministro dos Transportes do Líbano nesta terça-feira.

Reuters |

Ele disse, no entanto, que ainda era muito cedo para tirar qualquer conclusão sobre um possível erro do piloto.

Ghazi Aridi afirmou que o Boeing 737-800 da Ethiopian Airlines deu uma forte guinada antes de desaparecer do radar na madrugada de segunda-feira. Poucos minutos depois, o avião caiu no mar com 90 pessoas a bordo. Estima-se que todos morreram.

"A torre de controle pediu que ele fosse numa determinada direção, mas o piloto não obedeceu, então a comunicação foi cortada e o avião desapareceu do radar", disse Aridi à Reuters. "Não sabemos por que ele fez isso ou o que aconteceu". Segundo ele, é importante não apressar conclusões sobre erros do piloto até que os registros de vôo sejam encontrados.

Equipes de resgate libanesas e internacionais, incluindo uma embarcação militar dos EUA e navios, helicópteros, aviões e mergulhadores europeus e da força de paz da ONU, dirigiram-se para a costa mediterrânea em busca de vítimas e dos registros de voo.

O voo ET409 levava em sua maioria passageiros libaneses e etíopes e tinha como destino a capital da Etiópia, Addis Ababa.

Aparentemente, o avião partiu-se no ar antes de cair no mar durante uma tempestade numa bola de fogo perto do alvorecer na segunda-feira.

O parlamentar libanês Mohammad Qabbani, que se reuniu com autoridades aeroportuárias, disse que o piloto respondia 'sim' às ordens da torre de controle para mudar a direção, mas continuava a se mover na direção contrária.

O ministro da Informação, Tareq Mitri, falando após reunir-se com ministros e autoridades da segurança na noite de segunda-feira, afirmou que não havia motivo para impedir a decolagem do avião e que outras aeronaves haviam aterrissado e decolado antes e depois do acidente.

Autoridades libanesas afirmaram que 14 corpos, incluindo os de duas crianças pequenas, foram resgatados. Partes do corpo de uma outra vítima também foram recolhidas.

(Reportagem adicional de Nadim Ladki em Beirute e Linda Muriuki e Njuwa Maina em Addis Ababa)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG