Autoridades investigam pistas neonazistas nos túmulos muçulmanos profanados

Um dia depois da descoberta da profanação de 148 túmulos em um cemitério militar do norte da França, a investigação se voltava nesta segunda-feira para indícios neonazistas.

AFP |

"Suponho que se trata de um ato do movimento skinhead", afirmou o procurador da República da localidade de Arras, Jean-Pierre Valensi.

A polícia de Lille, encarregada da investigação, disse que está trabalhando com várias hipóteses e que não descartava nada.

Vândalos profanaram 148 túmulos muçulmanos no maior cemitério militar da França, pendurando uma cabeça de porco em uma deles e pichando o local com frases contra a ministra da Justiça Rachida Dati, informaram as autoridades este domingo.

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, condenou em um comunicado esse "ato de racismo inadmissível" cometido contra 148 lápides do cemitério de Notre Dame de Lorette, próximo a Arras (norte), onde descansam os restos de combatentes mortos na Primeira Guerra Mundial (1914-1918).

Valensi afirmou que os túmulos foram pichados com inscrições "que atacam diretamente o Islã" e Dati.

A ministra francesa Rachida Dati, de origem magrebina, fez referência a "um ato profundamente inadmissível" e pediu às autoridades locais que "identifiquem os autores deste ato odioso e os julguem com a maior firmeza".

Estas manifestações ocorrem quase um ano depois de outras similares. Durante a noite de 18 para 19 de abril de 2007 lemas nazistas e cruzes foram pichados em 52 túmulos nesse local.

Dois jovens de 18 e 21 anos foram condenados a dois anos de prisão com sursis e um jovem de 16 anos foi condenado a sete meses de reclusão, com dois meses e meio de cumprimento efetivo.

Vários representantes da comunidade muçulmana foram ao lugar para constatar os atos de vandalismo.

"É vergonhoso ver isso. Quando já não existe o respeito é uma catástrofe", declarou à imprensa o presidente regional do culto muçulmano, Bahssine Saaidi.

Os restos de 40.000 combatentes estão depositados nesse cemitério, a metade em túmulos individuais. O setor muçulmano conta com 576 túmulos direcionados para Meca.

cco-cbn/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG