Autoridades egípcias libertam 105 membros dos Irmãos Muçulmanos

Cairo, 14 abr (EFE).- As autoridades egípcias libertaram hoje 105 membros dos Irmãos Muçulmanos que foram detidos antes das eleições municipais de 8 de abril, boicotadas por esta organização que denunciou assédio governamental.

EFE |

Todos eles se encontravam sob detenção nas províncias de Al-Buhera, no Delta do Nilo, e Al-Fayum, ao sul do Cairo, segundo a site dos Irmãos Muçulmanos.

O tribunal penal de Damanhur, na província de Al-Buhera, decidiu colocar hoje em liberdade 96 membros dos Irmãos Muçulmanos que foram detidos por sua participação em uma manifestação antigovernamental no dia 1º de abril deste ano.

O protesto foi convocado contra a campanha de detenções lançada pelo Governo de Hosni Mubarak para evitar que os Irmãos Muçulmanos se apresentassem às eleições locais.

Por outra parte, a promotoria da localidade de Bandar, na província de Al-Fayum, pôs hoje em liberdade nove membros dos Irmãos Muçulmanos que se apresentaram como candidatos às eleições e que foram detidos antes da realização do pleito.

Em Al-Fayum permanecem na prisão sete pessoas detidas pelas forças de segurança egípcias antes das eleições, segundo informa a organização na internet.

Um total de 1.000 membros dos Irmãos Muçulmanos foram detidos nas semanas anteriores às eleições, segundo denunciou reiteradamente este grupo que acabou convocando o boicote depois que apenas 20 dos 10 mil candidatos que previam apresentar ao pleito puderam se registrar nas listas eleitorais.

A organização dos Irmãos Muçulmanos foi ilegalizada no ano de 1954, mas atualmente é tolerada e nas eleições parlamentares anteriores conseguiu um quinto das cadeiras do Parlamento, nas quais participou com candidatos independentes. EFE fc-jfu/fb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG