Bogotá, 6 set (EFE).- As autoridades de Saúde de Medellín, no noroeste da Colômbia, desmentiram hoje que uma segunda pessoa tenha morrido depois da explosão de uma granada no centro da cidade, e subiram de 47 para 48 o número de feridos, dos quais dois continuam internados em terapia intensiva.

O diretor do Sistema Municipal de Prevenção e Atendimento de Desastres (Simpad), Camilo Zapata, afirmou que o balanço é de uma morte e 48 feridos, com o qual descartou versões anteriores que apontaram que um das pessoas que tinham sofrido ferimentos tinha morrido.

"Já temos um balanço consolidado, com um total de 48 pessoas feridas, das quais 29 receberam alta durante a noite, e temos uma pessoa falecida", disse.

As primeiras investigações da Polícia indicam que a granada foi ativada acidentalmente por uma pessoa que comemorava a vitória da Colômbia sobre o Equador pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2010, em um estabelecimento comercial onde havia mais de 200 pessoas.

O diretor de Segurança Cidadã da Polícia, general Orlando Paez Barón, disse à emissora colombiana "RCN" que está oferecendo uma recompensa de dez milhões de pesos (US$ 5.100) por informações que permitam "identificar claramente esta pessoa que, de maneira irresponsável, estava manipulando esta granada".

A vítima fatal foi identificada como Harold Jimmy Moreno, um professor de idiomas que trabalhava no município vizinho de Fredonia, e cujo corpo será levado para a cidade de Quibdó, no departamento Chocó, onde nasceu. EFE fer/pd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.