Autoridades austríacas ainda não sabem como Fritzl levava alimentos ao porão

Viena, 3 mai (EFE).- As autoridades austríacas continuam hoje as investigações para tentar esclarecer como Josef Fritzl levava alimentos para a filha Elisabeth e três dos sete filhos que teve com ela, que foram mantidos em cativeiro por 24 anos.

EFE |

A partir de depoimentos de vários vizinhos e ex-inquilinos de Fritzl, o chefe do Escritório contra o Crime da Baixa Áustria, Franz Polzer, disse hoje à agência local "APA" que ainda "não há declarações concretas".

As autoridades austríacas deverão ouvir ainda cerca de cem pessoas que vivem ou já moraram no imóvel de três andares que pertence aos Fritzl, na cidade de Amstetten.

Nesta sexta-feira, a Polícia afirmou que "nada pode ser feito" se essas pessoas "não se lembram de nada" na hora dos interrogatórios, mas depois contam o que sabem para a imprensa.

Desde ontem, a imprensa repercute as lembranças de Sepp Leitner, um garçom que entre 1990 e 1994 alugou um espaço de 30 metros quadrados no primeiro andar da casa dos Fritzl, e que agora afirma ter certeza que pagou, sem saber, as contas de luz dos "inquilinos" do porão.

Ele afirma que via "com freqüência" Josef Fritzl chegar de noite em casa, descer do carro com sacolas de compras e ir diretamente para a entrada do porão pelo jardim.

Outro ex-inquilino, Alfred Dubanovsky, diz na edição de hoje do jornal "Österreich" que conhecia Elisabeth dos tempos de escola, e que a adolescente tinha confessado a ele que não agüentava mais viver com os pais.

"Pensando, algumas coisas me parecem estranhas agora", entre elas ver Josef Fritzl empurrando "um carrinho de mão com alimentos para o porão com ajuda de sua esposa", afirma Dubanovsky.

Ele diz ter "quase certeza" de que a mulher de Josef Fritzl, Rosemarie, sabia algo do segredo do marido.

"Se saíam de férias separadamente, sempre um deles ficava em casa. Um pouco estranho, não?", disse.

No entanto, as autoridades dizem que não têm o menor indício que leve a supor que Rosemarie sabia do caso.

De acordo com os médicos, Rosemarie está em estado de choque junto com Elisabeth e as crianças em um hospital local.

Em declarações à Polícia, a própria Elisabeth sempre eximiu a mãe de culpa pela situação que passou nos últimos 24 anos. EFE wr/rr/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG