Autoridade Palestina promove plano de paz árabe em Israel

A Autoridade Palestina publicou nesta quinta-feira um anúncio na imprensa israelense na tentativa de promover o plano de paz árabe para o acerto do conflito com Israel, que se diz favorável à iniciativa, porém nunca a aceitou formalmente.

AFP |

O anúncio, que ocupa uma página inteira, foi publicado nos três principais jornais israelenses, o Yedioth Aharonoth, o Maariv e o Haaretz.

Escrito sobre duas bandeiras, uma israelense e outra palestina, o texto explica, em hebraico, que "57 países árabes e muçulmanos estabelecerão relações diplomáticas e relações normais com Israel em contrapartida a um acordo de paz completo e o fim da ocupação".

O texto integral da iniciativa árabe em sete pontos foi publicado no centro de um quadrado formado pelas bandeiras de cerca de 50 países árabes e islâmicos.

"A publicação deste anúncio pretende explicar a iniciativa de paz árabe à opinião pública israelense", disse à AFP Yasser Abed Rabbo, alto representante da Organização para a Libertação da Palestina (OLP).

"Era indispensável porque este plano foi denegrido e tínhamos de explicá-lo", acrescentou.

Anúncios como este foram publicados nesta quinta-feira na imprensa palestina e, segundo Abed Rabbo, em jornais europeus.

O plano de paz árabe, de inspiração saudita, foi apresentado na reunião de cúpula árabe em Beirute (2002) e relançado em março de 2007 em um encontro em Riad.

Ele prevê uma normalização das relações entre os países árabes e Israel em troca da retirada israelense dos territórios árabes ocupados desde junho de 1967, a criação de um Estado palestino, com Jerusalém Oriental como capital, e um regulamento justo da questão dos refugiados palestinos.

Israel ressaltou "aspectos positivos" desta iniciativa, mas não a aceitou formalmente, principalmente em razão da menção feita ao direito ao retorno dos refugiados palestinos.

ezz/pa/lm/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG