Autoridade do Irã diz que sanções elevam custos para comércio

TEERÃ (Reuters) - O Irã deveria aumentar seus esforços diplomáticos para evitar sanções ao seu programa nuclear, argumentando que elas prejudicam interesses econômicos iranianos e ocidentais, disse uma autoridade comercial iraniana a um jornal nesta terça-feira. Mohammad Nahavandian, chefe das câmaras de comércio industrial e mineradora do Irã, disse ao diário Sarmayeh que os custos de importação aumentaram entre 20 e 40 por cento no país.

Reuters |

O governo tem desdenhado do impacto das sanções impostas à república islâmica pelos Estados Unidos e pelas Nações Unidas, mas economistas dizem que Teerã está aumentando os gastos dos comerciantes iranianos, por exemplo, para conseguir crédito --isso é quando eles o conseguem.

Um relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) divulgado na segunda-feira diz que o Irã está bloqueando uma investigação que busca saber se o país desenvolve uma bomba atômica. A Grã-Bretanha afirmou que vai pressionar por novas sanções.

Teerã tem insistido que tais pressões não farão o país mudar de rumo em sua marcha para dominar a tecnologia nuclear, que afirma desejar para a geração de eletricidade.

'As sanções internacionais não tiveram sucesso em mudar o comportamento político do Irã, mas lhe trouxeram custos econômicos', disse Nahavandian ao jornal.

'Certamente estes custos não significam cortar laços comerciais com outros países, mas os custos de importação e exportação aumentaram', declarou.

Executivos dizem que os importadores iranianos enfrentam dificuldades para abrir cartas de crédito, um instrumento vital no comércio internacional, já que muitos bancos, especialmente do Ocidente, têm reduzido ou simplesmente encerrado negócios com o Irã.

Os bancos ainda dispostos a negociar tendem a cobrar um prêmio. Se não conseguem assegurar o crédito, as empresas iranianas muitas vezes têm que pagar adiantado por bens antes da entrega, o que eleva os riscos.

'As sanções ampliaram o custo das importações entre 20 e 40 por cento, o que significa cerca de 10 bilhões de dólares' disse Nahavandian, sem fornecer uma cifra total sobre as importações.

'Assim sendo, o Irã deveria procurar adotar uma diplomacia ativa para convencer nossos parceiros econômicos de que estes custos não somente prejudicarão a economia iraniana, mas suas economias também, porque vão perder oportunidades', disse ele.

'Nós sempre dissemos que sanções significam perdas para todos.'

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG