Autor de ataques no sul da França enviou vídeo para Al Jazeera

Segundo jornal francês, Mohamed Merah mandou via correio material que continha imagens com música religiosa e passagens do Alcorão

EFE |

O assassino de sete pessoas em uma série de ataques no sul da França enviou um vídeo à sede do canal Al Jazeera em Paris com imagens dos sete assassinatos que perpetrou em Toulouse e na cidade vizinha Montauban.

Cronologia: Veja como foram os ataques e o cerco a suspeito na França

De acordo com o site do jornal Le Parisien, o pacote recebido pela televisão com sede no Catar continha um cartão de memória e uma carta. O material - imagens armazenadas acompanhadas de música religiosa e versículos do Alcorão - enviado por Mohammed Merah , morto na quinta-feira, foi entregue à polícia judiciária, que confirmou a autenticidade do vídeo.

O pacote teria sido enviado entre a noite de terça-feira e a manhã de quarta-feira. Merah morreu na quinta-feira baleado pela polícia após um cerco de 32 horas à sua casa em Toulouse.

Carimbo

O site do jornal detalhou que o carimbo do correio continha a data de envio de 21 de março, quando Merah estava cercado em seu apartamento de Toulouse.

Galeria de fotos: Veja imagens do terror na França

A polícia tenta averiguar se o material foi enviado na véspera por ele mesmo ou na quarta-feira de manhã por algum cúmplice.

Várias testemunhas haviam visto a câmera que Merah, 23 anos, levava em seu peito durante o ataque a um colégio judaico .

Antes de morrer, ele foi acusado pela morte de três militares franceses em Toulouse e Montauban, três crianças judias em Toulouse, além do rabino pai de duas delas.

O irmão mais velho do atirador, Abdelkader Merah , foi acusado de cumplicidade nos sete assassinatos confessados por Mohammed no sul da França, crimes nos quais os investigadores não descartam a participação de outras pessoas.

Erros de inteligência: Vigilância é questionada e governo fica na defensiva na França

Nesta segunda-feira ainda, a imprensa francesa noticiou que o pai de Merah, divorciado há mais de 20 anos de sua mãe e condenado à prisão em duas ocasiões, uma delas a cinco anos por tráfico de drogas, diz ter intenção de processar o Estado francês por não ter capturado seu filho com vida e enterrar seu corpo na Argélia.

    Leia tudo sobre: françaescola judaicatoulousejudeus

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG