Um austríaco que pratica esportes radicais, Felix Baumgartner, disse que seu próximo desafio será tentar quebrar o recorde do mais alto salto de paraquedas, caindo de altitude de pelo menos 37 km. A parte de queda livre do desafio pode durar mais de cinco minutos, e a velocidade do paraquedista provavelmente irá superar a do som.

Se isso ocorrer, ele será a primeira pessoa a passar por isso sem a ajuda de uma máquina.

Em 1999, o entusiasta de esportes radicais saltou de um dos braços da estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro.

Mais rápido do que o som
Já se passaram 50 anos desde que o americano Joe Kittinger passou para a história ao saltar de um balão a 31 km de altitude, estabelecendo o atual recorde.

Com o seu salto, o austríaco irá dar uma oportunidade a cientistas para entender como o corpo reage a velocidades supersônicas.

"Os efeitos da transição da velocidade subsônica para supersônica e vice-versa não são conhecidos. Esta é apenas uma das coisas que vamos aprender."
Baumgartner e sua equipe afirmam que o projeto vai reunir também dados científicos sobre a estratosfera e como o organismo reage a condições extremas tão distantes da superfície da Terra.

Balão de hélio
A mais recente tentativa de tentar superar o recorde de Kittinger foi feita em 2008, pelo francês Michel Fournier.

O ex-paraquedista e aventureiro havia passado anos se preparando para o salto, mas o balão dele se soltou e se perdeu no céu justamente quando ele estava prestes a subir.

Baumgartner também chegou às manchetes dos jornais em 2003, quando atravessou o Canal da Mancha com uma asa de fibra de carbono amarrada às costas.

A tentativa de superar o recorde de Kittinger provavelmente deverá ocorrer ainda este ano, em um local na América do Norte ainda não divulgado. O aventureiro vai alcançar a estratosfera em uma cápsula pressurizada ligada a um balão de hélio.

Ele estará vestindo um macacão totalmente pressurizado e adaptado para a prova, além de um capacete.

Os organizadores do desafio, chamado Red Bull Stratos, dizem que, se tudo correr bem, ele deve superar a velocidade do som cerca de 35 segundos depois do salto.

Inchaço na mão
O salto de Joe Kittinger a 16 de agosto de 1960 foi considerado um feito extraordinário. Foi realizado nove meses antes do astronauta Alan Shepard ser lançado na primeira viagem espacial suborbital americana.

Kittinger sofreu forte inchaço na mão direita porque sua luva apresentou defeito e seu corpo reagiu à baixa pressão em altitude elevada.

O ex-coronel da Força Aérea dos Estados Unidos agora está ajudando o austríaco a realizar seu feito.

Além de lidar com temperaturas abaixo de zero e ar rarefeito, o objetivo de Baumgartner será tentar manter a altitude correta durante a descida e impedir que seu corpo comece a girar e ele desmaie.

"Olhando para o plano geral, está claro que nós temos uma oportunidade única de ajudar a ciência em um campo muito específico", afirmou.

"Talvez um dia será possível trazer astronautas para a casa do espaço em segurança se a nave deles apresentar defeito. Soa como ficção científica, mas a ciência da aeronáutica está realmente se movendo nessa direção."
Michel Fournier também prometeu fazer uma nova tentativa de salto em 2010, se conseguir financiamento.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.