Austríaco Josef Fritzl pode ser acusado de homicídio

Viena, 4 set (EFE).- Josef Fritzl, o aposentado austríaco de 73 anos acusado de trancar em um porão e abusar sexualmente durante 24 anos da filha Elisabeth, poderá ser acusado de homicídio por omissão de socorro, após um relatório pericial indicar que um dos bebês nascidos do incesto sobreviveria se tivesse recebido atendimento médico.

EFE |

Segundo a edição de hoje da revista austríaca "News", este é o resultado da perícia feita por um neonatólogo - especialista em fetos e recém-nascidos - a pedido da Promotoria.

A revista afirma que o documento diz que o bebê, gêmeo de outro que sobreviveu, nasceu com graves problemas de saúde, sofrendo com dificuldades respiratórias que foram se agravando durante as 70 horas em que viveu.

A perícia se baseou nas declarações de Elisabeth, que hoje tem 42 anos e foi trancada pelo pai quando tinha 18, embora tenha assegurado que os abusos sexuais haviam começado sete anos antes.

Segundo Elisabeth, logo após Michael - nome que deu ao bebê que morreu - nascer, percebeu que "algo não estava bem" com o recém-nascido.

De acordo com a "News", a mulher disse que seu pai, e também pai da criança, não reagiu diante dos evidentes problemas de saúde do bebê. Setenta horas depois do parto, Michael morreu.

Esta versão contrasta com a apresentada pelo acusado. Fritzl disse que não assistiu ao parto, não visitou sua filha no porão logo após o nascimento e não soube que havia sido pai de gêmeos até que a criança já estivesse morta e sua filha lhe entregasse o cadáver para que o enterrasse.

Fritzl incinerou o corpo do bebê na caldeira da casa.

O relatório pericial abre as portas para uma nova acusação contra Fritzl, preso desde que o caso veio à tona, em abril.

A nova acusação, com penas que podem chegar à prisão perpétua, se uniria as já existentes de privação de liberdade, incesto e estupro.

Além disso, a Promotoria estuda a possibilidade de acrescentar o delito de escravidão à lista de acusações. O julgamento deve começar antes do final do ano. EFE as/fh/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG