Cientistas australianos desenvolveram um nanorobô de 250 nanômetros de diâmetro - o equivalente à espessura de dois ou três fios de cabelo - potencialmente capaz de realizar operações no cérebro, como no filme de ficção científica Viagem Fantástica (Fantastic Voyage), de 1966.

"Tentamos fazer uma coisa que pudesse ser colocada nas artérias humanas, principalmente onde as tecnologias tradicionais não podem ser utilizadas", explicou à AFP James Friend, do laboratório de nanofísica da Universidade Monash, em Clayton, na Austrália, e co-autor de um estudo publicado na revista Journal of Micromechanics and Microengeneering.

O objetivo era criar, dentro de um robô extremamente fino, um motor potente o suficiente para conseguir "remontar o contrafluxo" da corrente sangüínea.

O motor do robô foi batizado de Proteus, nome da miniatura de submarino usada pelos protagonistas de "Viagem Fantástica", que são reduzidos a um tamanho microscópico para penetrar no corpo de um espião da União Soviética e salvá-lo, destruindo o coágulo que se formou em seu cérebro.

Ainda falta testar como o nanorobô circulará pelo corpo, incluindo sua saída bem sucedida do organismo após a operação.

"Será a prova crucial", admitiu James Friend.

Nos primeiros testes, o nanorobô foi introduzido acoplado a uma sonda, para ser recuperado caso o motor sofresse uma pane, mas os cientistas conseguiram controlá-lo a distância sem problemas, com um controle remoto.

boc/ap

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.