Tamanho do texto

A Austrália tem mais de 1.500 militares destacados no país

A primeira-ministra australiana, Julia Gillard, disse nesta segunda-feira (data local) que o compromisso de seu país no Afeganistão "é claro" e "se mantém firme", apesar do massacre de pelo menos 16 civis por um sargento americano.

"Este horroroso incidente é verdadeiramente preocupante, mas não vai nos distrair de nosso objetivo no Afeganistão", declarou Julia a jornalistas em Canberra.

Leia também: Presidente afegão diz que massacre de civis é também 'imperdoável'

Homem fica ao lado de corpo de afegão que teria sido morto pelo soldado americano
AP
Homem fica ao lado de corpo de afegão que teria sido morto pelo soldado americano

No domingo, um sargento americano saiu da base militar na província de Kandahar, no sul do país, e matou pelo menos 16 civis após disparar contra as casas nas quais havia principalmente mulheres e crianças.

A primeira-ministra expressou suas condolências ao presidente afegão, Hamid Karzai, e aos familiares das vítimas, ao mesmo tempo em que reiterou que a Austrália cumprirá com seu cronograma e a missão traçada no Afeganistão.

A Austrália tem mais de 1.500 militares destacados no Afeganistão, onde participam de operações de combate e treinamento das forças de segurança afegãs sob comando da Otan, e representam o maior contingente que não pertence à Aliança Atlântica.

Está previsto que o contingente internacional deixe o Afeganistão em 2014 e que as forças de segurança afegãs assumam então o controle do território.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.