Austrália planeja censurar 10 mil sites na internet

O governo da Austrália quer introduzir filtros obrigatórios na internet para impedir que arquivos considerados ilegais sejam baixados. Com o argumento de que a filtragem é necessária para proteger crianças que surfam na internet e impedir a divulgação de pornografia infantil e idéias extremistas, cerca de 10 mil sites foram selecionados pelo governo australiano em sigilo para ser censurados.

BBC Brasil |

Serão investidos US$ 70 milhões no Plano de Segurança na internet.

"Eles (o governo) falam sobre a segurança para as crianças na internet apenas para tranqüilizar famílias, mas os filtros não irão impedir o acesso a websites. É fácil enganar a filtragem e conseguir o acesso em 20 minutos", disse Geordie Guy, membro da Fronteiras Eletrônicas da Austrália, uma organização nacional sem fins lucrativos, que é contra o plano.

"Além disso, a velocidade da internet diminuiria em 85%, e isso seria um problema sério porque os filtros bloqueariam materiais legais sem querer", complementou.

O grupo recentemente lançou a campanha "No Clean Feed - Pare com a censura na internet na Austrália", que já conta com 25 mil simpatizantes.

'Partido do Sexo'
Outro grupo ativista é o Partido do Sexo, o mais novo partido político do país, que tem em sua lista de prioridades "abolir o filtro pornô da internet", segundo consta no site oficial da organização.

Os críticos da censura argumentam que a lista de sites bloqueados não foi revelada pelo governo e poderia até mesmo impedir material político no futuro, como acontece em países como China, Irã e Arábia Saudita.

Devido à grande controvérsia, o governo australiano está lutando para receber apoio para o projeto.

Até mesmo grupos de defesa do bem-estar infantil se opuseram ao plano, argumentando que a verba deveria ser usada para outros fins.

Luta contra a pedofilia
Na próxima semana, o governo australiano planeja testar os filtros em algumas empresas do país ainda não escolhidas - antes da implantação do plano, prevista para maio de 2009.

Recentemente a polícia australiana prendeu 19 acusados de troca de arquivos contendo pornografia infantil com a ajuda da polícia brasileira.

Cerca de 500 mil imagens de abuso de crianças e 15 mil vídeos foram apreendidos.

As autoridades australianas disseram que as informações fornecidas pelo Brasil à rede internacional de polícia, a Interpol, ajudaram a identificar mais de 200 suspeitos em 70 países.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG