Austrália libera corpo de brasileiro morto pela polícia

Ao iG, madrinha de Roberto Laudisio diz que corpo passou por três necropsias e critica falta de pressão do governo brasileiro

iG São Paulo |

O corpo do estudante brasileiro Roberto Laudisio, morto pela polícia de Sydney com uma arma de eletrochoque taser, foi liberado e deve deixar a Austrália na sexta-feira. De acordo com a madrinha do jovem, Patricia Laudisio, o corpo deve ser enterrado na terça-feira no Cemitério do Araçá, em São Paulo.

Laudisio, que era órfão desde criança, será enterrado no mesmo túmulo que os pais. Ao iG , Patricia disse que o traslado deve custa US$ 10 mil (R$ 18,3 mil) e será custeado pela família, que depois pedirá um reembolso ao governo australiano.

Leia também: 'Eles quiseram matar', diz madrinha de brasileiro

A madrinha de Laudisio criticou a falta de apoio do Itamaraty: "Estamos decepcionados com a postura do governo brasileiro, que não está fazendo pressão, não está cobrando", afirmou Patricia. Procurada pelo iG , a assessoria de imprensa do Itamaraty disse que o Consulado do Brasil em Sydney está em "contato permanente" com a família de Laudisio e respeitando o pedido de privacidade feito pelos parentes. A assessoria acrescentou que a representação brasileira acompanha o caso de perto, mas tem atuação limitada em território estrangeiro, não podendo, por exemplo, investigar um crime.

A madrinha do estudante acrescentou que o corpo passou por três necropsias. A primeira, que não foi acompanhada pela família, indicou que o jovem foi agredido fisicamente e não apenas atingido pela arma de taser. Os resultados dos testes não foram divulgados.

Patricia disse também que a família enviou à Austrália exames médicos feitos por Roberto antes de embarcar, no ano passado. Segundo ela, os testes mostraram que o jovem tinha boas condições de saúde e nenhum problema cardíaco que pudesse explicar porque ele morreu ao ser atingido por uma arma que, em tese, não é letal. “Ele morreu porque recebeu quatro disparos de taser e ninguém aguenta quatro disparos de taser”, disse a madrinha do jovem.

Laudisio estava na Austrália desde o ano passado para visitar a irmã e o cunhado e fazer um curso de inglês numa escola de Bondi Junction, um bairro no sul de Sydney.

A ação policial que culminou em sua morte teve início após o furto de um pacote de biscoitos em uma loja de conveniência durante a madrugada. Segundo a polícia, Laudisio foi o autor do roubo e, durante uma perseguição, foi atingido por uma arma de eletrochoque taser.

O repórter Marcos Moreira, do serviço brasileiro da emissora de rádio australiana SBS (Special Broadcasting Service), falou com funcionários da loja. Um deles não reconheceu Laudisio como o autor do roubo. As imagens da câmera de vigilância do local estão em poder da polícia de Sydney e até o momento não foram divulgadas.

    Leia tudo sobre: roberto laudisioaustráliabrasilsydneytaserarma de eletrochoque

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG