Austrália condena cinco por planejar atentados terroristas

Após um julgamento que durou mais de 170 dias, cinco homens foram condenados pela Justiça australiana pela acusação de conspirar para cometer ataques terroristas. Segundo os promotores, os homens planejavam realizar atentados para se opor à política australiana no Oriente Médio.

BBC Brasil |

Eles foram presos em 2005. Em suas casas, a polícia encontrou materiais explosivos e instruções para a fabricação de bombas.

O julgamento começou em novembro do ano passado. Para decidir pela condenação dos suspeitos, o júri deliberou por 23 dias.

A pena pode chegar a prisão perpétua.

Suspeitas

A polícia começou a observar os suspeitos depois de receber informações de proprietários de lojas de armas e produtos químicos, que desconfiaram do volume de substâncias que os suspeitos compravam.

A Justiça não informou quais seriam os alvos da operação nem os nomes dos envolvidos.

"Eles estavam motivados pela busca do que provavelmente veem como uma causa, ou seja, a jihad (guerra santa)", afirmou o promotor, Richard Maidment.

Segundo ele, um dos réus havia recebido treinamento em um campo do grupo extremista Lashkar-e-Taiba, no Paquistão, e montado um campo em estilo paramilitar próximo de Sydney para treinar três dos outros homens.

Os homens não reagiram ao ouvir o veredicto. Eles ficarão presos até o dia 14 de dezembro, quando deverão voltar a se apresentar à Justiça.

Fora do tribunal, houve cenas de protesto depois que simpatizantes dos réus entraram em conflito com profissionais da imprensa.

Leia mais sobre Austrália

    Leia tudo sobre: austrália

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG