Ausência de Lugo no último debate gera críticas no Paraguai

O presidenciável paraguaio Fernando Lugo, da Aliança Patriótica para a Mudança (APC, na sigla em espanhol), faltou nesta quinta-feira ao último debate com os outros candidatos antes das eleições deste domingo. Lugo nos avisou que não vinha uma hora antes do debate (.

BBC Brasil |

..). Irresponsável", disse o apresentador do encontro, Humberto Rubín.

"Muita gente anda dizendo muita coisa sobre você e muitas devem ser certas. Afinal, se você faz isso uma hora antes de um debate...", disse o apresentador, dirigindo-se a Lugo, um ex-bispo católico que lidera as pesquisas de opinião divulgadas até o final da semana passada.

Quando questionados sobre a ausência de Lugo, os outros três candidatos - Blanca Ovelar (Partido Colorado), Lino Oviedo (Unace) e Pedro Fadul (Pátria Querida) - evitaram criticá-lo abertamente durante o debate.

Cada um reagiu a seu modo. Blanca, em silêncio. Fadul disse que "assim os eleitores já sabem com quem estão lidando" e Oviedo fez o sinal da cruz antes de dizer que "só o criticaria em sua presença".

Cadeira vazia
Diante de uma cadeira vazia, o apresentador fez perguntas que seriam dirigidas a Lugo.

"O que vai acontecer quando se abrir essa bolsa de gatos?", questionou Rubín, referindo-se à frente de centro-esquerda que reúne a base política de Lugo, que inclui o tradicional Partido Liberal Radical Autêntico (PLRA) e movimentos sociais de esquerda.

Rubín leu, ao vivo, uma carta enviada pelo chefe de campanha de Lugo, Miguel Angel, dizendo que "tristemente não existem condições políticas para a participação nesse debate".

Após 40 minutos de debate, o apresentador disse que Lugo acabara de telefonar, mas gostaria de falar "em particular". Ao que Rubín respondeu, também ao vivo, que "particular" não lhe interessava.

Propostas
Durante mais de quatro horas de debate, os três candidatos à sucessão do presidente Nicanor Duarte Frutos, do Partido Colorado, defenderam suas propostas.

Em muitos casos, as mesmas bandeiras, mas com projetos diferentes - de melhorias na educação, na saúde, na distribuição de renda e combate à corrupção.

Fadul cobrou várias vezes de Ovelar responsabilidades como melhor administração dos recursos públicos, recordando que ela trabalhara como ministra no governo que termina.

Ele também criticou Ovelar e Oviedo pela militância no Partido Colorado. Ela é a candidata oficial do partido, e Oviedo criou uma dissidência do Colorado após anos na legenda.

"Onde vocês viveram estes últimos 60 anos?", perguntou Fadul, referindo-se ao período em que o partido está no poder.

O programa terminou com Oviedo mostrando uma pasta azul e lendo um documento que, segundo ele, comprovaria que Lugo e outros políticos da oposição visitaram um grupo de presos acusados de um seqüestro que teve forte repercussão e comoveu o país.

A vítima do seqüestro, Cecília Cubas, cujo corpo apareceu em 2005, era filha de Raul Cubas, aliado político de Oviedo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG