Ausência de Kadafi constrange políticos italianos

ROMA (Reuters) - Com o rosto vermelho, o presidente da Câmara italiana cancelou a conferência de alto escalão dedicada a Muammar Kadafi nesta sexta-feira após a ausência do líder líbio depois de duas horas de espera por parte dos políticos italianos. A conferência com Kadafi agendada para as 15h (12h horário de Brasília) não aconteceu por causa do atraso do (líder) líbio Kadafi, disse Gianfranco Fini, aliado do primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi, para o aplauso dos parlamentares presentes.

Reuters |

"Um atraso que não foi justificado para o presidente da Câmara, com o que... eu considero esta conferência cancelada."

Kadafi deveria encontrar Fini e depois ir à conferencia com o presidente da Câmara e com o ex-ministro do Exterior Massimo D'Alema.

A embaixada da Líbia afirmou mais tarde em comunicado que Kadafi não apareceu para o encontro no Parlamento porque participava das orações de sexta-feira.

Não é a primeira vez que o líder líbio constrange os italianos na sua primeira visita de Estado à ex-metrópole, em um período em que os dois países costuram laços comerciais mais próximos.

Kadafi desembarcou em Roma com um broche de um legendário herói da resistência líbia executado pelos italianos, e em discurso em uma histórica praça romana, ele disse que aboliria os partidos italianos se a decisão coubesse a ele.

Na sexta-feira, ele falou a uma plateia de mil italianas que as mulheres europeias não deveriam ser forçadas a fazer os trabalhos de homens, como era o caso de sua anfitriã, a ministra da Igualdade de Oportunidades Mara Carfagna.

Kadafi tem chegado tarde --mesmo para os padrões italianos-- à maioria dos compromissos agendados para a viagem. Ele já atrasou quase duas horas para uma entrevista coletiva na quarta-feira e para um discurso a estudantes na quinta-feira.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG