Ativistas do Greenpeace se acorrentam a uma carga de madeira na Itália

Roma, 24 mar (EFE).- Ativistas da organização de defesa do meio ambiente Greenpeace se acorrentaram hoje a uma carga de madeira liberiana armazenada no porto de Ravenna, norte da Itália, que será empregada na reforma do metrô de Roma.

EFE |

O Greenpeace enviou um comunicado no qual afirma que os ativistas penduraram cartazes nos quais se denuncia "o crime das florestas da África" e alerta: "destruição de florestas = mudança climática".

Segundo a imprensa italiana, ativistas da organização penduraram um cartaz gigante na estação de metrô do Coliseu, em Roma, o qual anuncia que a companhia responsável pelo meio de transporte patrocina a "destruição de florestas".

De acordo com o Greenpeace, a maior parte da madeira é propriedade de uma empresa que participa da modernização do metrô romano e que venceu recentemente a licitação de um contrato no valor de 720 mil euros.

Uma porta-voz do grupo afirmou ser "uma desgraça" o fato de que a Itália seja uma das principais entradas para a madeira ilegal na Europa.

A representante do Greenpeace acrescentou que o país deveria "interromper o financiamento do comércio ilegal de madeira e começar a fazer algo para salvar o clima".

O Greenpeace pede ao Governo italiano para que libere quatro bilhões de euros para países em desenvolvimento, como a Libéria, com o objetivo de empregar esses recursos em temas relacionados à mudança climática e à promoção de energias limpas. EFE fab/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG