Ativista é condenado por insultar Khamenei e Ahmadinejad

Teerã, 20 jan (EFE).- Um tribunal revolucionário de Teerã condenou a oito anos e meio de prisão e cinco de inabilitação política o representante estudantil Majid Tavakoli, acusado de insultar o líder supremo da Revolução, aiatolá Ali Khamenei, e o presidente do país, Mahmoud Ahmadinejad.

EFE |

A corte o proibiu também de sair do país durante mais cinco anos, informaram hoje sites administrados pela oposição reformista.

Tavakoli foi detido meses atrás após pronunciar um discurso na Universidade de Teerã no qual criticou duramente a política econômica de Ahmadinejad e a repressão aos protestos populares.

A promotoria o acusou de chamar o líder supremo de "ditador" e o presidente de "fascista".

Após ser detido, a imprensa oficial iraniana publicou uma fotografia de Tavakoli vestido de mulher, com o chador (peça feminina que cobre todo o corpo), enquanto a família dele denunciou torturas na prisão.

O Irã está em meio a uma grave crise política e social desde 13 de junho do ano passado, quando saiu a reeleição de Ahmadinejad.

Naquele mesmo dia, centenas de milhares de pessoas foram às ruas para protestar contra o resultado do pleito, que, segundo a oposição, esteve envolvido em fraude.

Na violenta repressão dos protestos, pelo menos 30 pessoas morreram, segundo números oficiais, e 72, de acordo com os opositores. EFE jm-msh/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG