Atividade de vulcão chileno aumenta, povoado é esvaziado

PUERTO MONTT, Chile - O vulcão chileno Chaitén intensificou sua atividade por volta da meia-noite de quarta-feira, expelindo cinzas e material incandescente, o que obrigou militares e cerca de dez civis a sair da área mais próxima ao cume. O povoado sulista de Chaitén, que fica a somente 10 quilômetros de distância do vulcão, teve de ser totalmente esvaziado quando o vulcão expeliu lava por alguns minutos e densas colunas de cinzas, que caíram sobre o local.

Reuters |

'O pessoal do Exército viu material incandescente, com um aumento do odor de enxofre no povoado de Chaitén. Isso determinou a retirada de civis e de membros do Exército, que foram levados até a vizinha Puerto Cárdenas', disse à Reuters Miguel Muñoz, chefe da Oficina Nacional de Emergências (Onemi).

Uma testemunha da Reuters, que estava perto de Chaitén, confirmou que funcionários do Exército se deslocavam para Puerto Cárdenas.

O vulcão Chaitén, de mais ou menos mil metros de altura, entrou em atividade há uma semana, o que provocou o esvaziamento de grande parte de vilarejos como Futalefú --150 quilômetros a oeste do vulcão-- devido às cinzas que se deslocaram para a região, alcançando também cidades argentinas.

Grande parte da população de Chaitén foi levada a albergues na cidade de Puerto Montt, que fica a cerca de mil quilômetros ao sul de Santiago e 200 quilômetros ao norte do vulcão.

Milhares de pessoas tiveram de sair de suas casas, algo não visto no Chile há décadas. Elas são o principal motivo de preocupação do governo da presidente Michelle Bachelet.

Em um vôo sobre o vulcão, no qual estava a Reuters, pode-se ver uma densa camada de fumaça saindo da cratera. As margens e águas dos rios próximos ao vilarejo de Chaitén estão tingidos de branco devido às cinzas.

(Por Antonio de la Jara e Esteban Medel)

Leia mais sobre: vulcões

    Leia tudo sobre: chilevulcão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG