Atirador mata 14 em associação de imigrantes nos EUA

A tomada de reféns e posterior massacre em uma associação de ajuda a imigrantes em Binhgamton (estado de Nova York) deixou 14 mortos nesta sexta-feira, no maior massacre nos Estados Unidos desde o ataque à Universidade Virginia Tech, há dois anos.

AFP |

O chefe de polícia local, Joseph Zikuski, informou que há "14 mortos confirmados no prédio" e que há "boas razões para acreditar que o agressor esteja entre os mortos".

O Wilson Medical Center, um dos hospitais de Binghamton, indicou em seu site que há três feridos em estados "estável" e "crítico".

Por volta das 15h00 local (16h00 de Brasília), ou seja, quase cinco horas depois do início do drama, todos os reféns haviam sido libertados e o autor do massacre estava morto, segundo a imprensa local.

De acordo com os meios de comunicação, o homem fez cerca de quarenta pessoas reféns e abriu fogo na sede da American Civic Association, uma organização de ajuda à integração de estrangeiros. O homem teria origem asiática, segundo testemunhas citadas pelas redes de TV americanas, que transmitiram o evento ao vivo. Ele teria por volta de quarenta anos, informou a CNN.

O atirador invadiu no meio da manhã a sede da associação. As TVs exibiram imagens de pessoas sendo levadas em macas para ambulâncias estacionadas em torno do prédio em Binghamton, cidade de cerca de 50.000 habitantes situada 217 km a noroeste de Nova York.

A associação invadida ajuda imigrantes, aos quais oferece um curso de inglês. Um "teste de cidadania" estava, aparentemente, sendo realizado no momento do ataque.

Segundo o site de um jornal local, o Press and Sun-Bulletin, 41 pessoas foram mantidas reféns, das quais 26 na sala de manutenção e 15 em uma despensa.

De acordo com Bob Joseph, diretor da rádio WNBF, entrevistado pela CNN, o atirador parece ter premeditado a ação: ele estacionou seu veículo de forma a bloquear uma saída situada na parte de trás do prédio, deixando as pessoas que se encontravam em seu interior sem ter como fugir.

O presidente americano, Barack Obama, que participa da reunião da Otan na Europa, lamentou o ataque: "Eu e Michelle ficamos chocados e profundamente entristecidos por este ato de violência gratuita em Binghamton. Nossos pensamentos vão para as vítimas, suas famílias e a população" local.

Esta foi a maior matança nos Estados Unidos desde o ataque à Virigina Tech (Virgínia, leste), no dia 16 de abril de 2007, quando um estudante de origem coreana matou 32 pessoas antes de cometer suicídio, e superou o massacre de 10 de março passado, quando um criminoso assassinou dez pessoas, entre elas sua própria mãe, em três cidades do Alabama, antes de se suicidar.

A tomada de reféns ocorre no momento em que a crise econômica parece coincidir nos Estados Unidos com um aumento na frequência de ações violentas, que algumas vezes geram massacres.

Na semana passada, um homem fortemente armado matou oito pessoas em um asilo da Carolina do Norte (sudeste) e seis pessoas foram mortas a tiros em uma casa de um bairro de classe alta do Silicon Valley, na Califórnia (oeste).

Em um dos episódios mais chocantes desta série, na noite de 24 de dezembro de 2008, um homem fantasiado de Papai Noel invadiu uma casa onde estava reunida a família de sua ex-mulher, na Califórnia, e abriu fogo, matando nove pessoas antes de se suicidar.

mes/dm/LR/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG