Atentados deixam ao menos 1 morto e 71 feridos no sul da Tailândia

(acrescenta vítima mortal e atualiza números de bombas e feridos). Bangcoc, 4 nov (EFE).- Pelo menos uma mulher morreu e 71 pessoas ficaram feridas hoje na explosão de três bombas em Narathiwat (sul da Tailândia), castigada desde 2004 pela violência separatista, informaram fontes policiais.

EFE |

Os três artefatos, de fabricação artesanal, foram ativados à distância por celulares, disse a Polícia, que atribuiu os atentados a grupos insurgentes muçulmanos, embora ninguém tenha assumido a autoria.

A primeira bomba, escondida em uma lata de lixo, foi detonada ao meio-dia local em frente a uma lanchonete próxima a um prédio governamental onde autoridades locais realizavam uma reunião.

Pouco depois, dois artefatos, um colocado em um carro e outro em uma motocicleta, explodiram em um estacionamento próximo a um movimentado mercado.

Após os ataques, as forças de segurança cortaram o sinal de celulares para impedir que outros atentados no distrito de Sukhirin, próximo à fronteira com a Malásia.

Aproximadamente 3,5 mil pessoas morreram no sul da Tailândia desde que grupos rebeldes islâmicos retomaram a luta armada em janeiro de 2004, após uma década de pouca atividade guerrilheira.

Os ataques com armas leves, assassinatos e atentados com bomba acontecem diariamente nas três províncias de maioria muçulmana de Narathiwat, Pattani e Yala, apesar do desdobramento de 31 mil agentes das forças de segurança.

O estado de exceção vigente desde 2005 foi recentemente prorrogado por mais um ano.

No início de 2008, o Governo tailandês admitiu pela primeira vez a relação entre a rede terrorista Al Qaeda e os rebeldes, e reconheceu que a situação piorou desde que estes passaram a receber armas e dinheiro do narcotráfico. EFE grc/fh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG