Atentados contra comício e consulado dos EUA no Paquistão matam ao menos 43

Igor G. Barbero.

EFE |

Islamabad, 5 abr (EFE).- Pelo menos 43 pessoas morreram hoje em dois atentados na conflituosa região noroeste do Paquistão, cujos alvos foram uma reunião política e o consulado americano na cidade de Peshawar.

O primeiro ataque, realizado por um suicida, aconteceu em torno das 12h locais (4h, horário de Brasília) no distrito de Baixo Dir, situado na Província da Fronteira do Noroeste (NWFP), informou uma fonte policial à Agência Efe.

O atentado foi registrado na cidade de Timergara, durante um ato público do Partido Nacionalista Awami (ANP, na sigla em inglês), uma formação laica e pashtun que governa a província e que foi objeto de numerosos ataques no passado.

Pelo menos 40 pessoas morreram, incluindo muitos militantes do partido, e dezenas ficaram feridas, entre eles o irmão de um senador, segundo disse à Efe um porta-voz do ANP, Zahid Bunairi.

"É um dia trágico, muito triste para nós", se lamentou Bunairi, que acrescentou que cerca de mil seguidores tinham se juntado no local para comemorar a recente decisão de mudar o nome da província, que em breve será rebatizada como Khyber-Pakhtunkhwa.

A medida, que substitui o anacronismo da época colonial britânica por um nome que faz alusão à majoritária população pashtun, faz parte de um amplo pacote de emendas constitucionais que será debatido nesta semana nas câmaras do Parlamento, diante das quais compareceu hoje o presidente do país, Asif Ali Zardari.

Além do atentado em Timergara, outro ataque múltiplo aconteceu pouco tempo depois na capital provincial, Peshawar, em frente ao consulado dos Estados Unidos.

Pelo menos três explosões acompanhadas de tiroteios e perpetradas por um comando terrorista foram registradas no bairro de Saddar em um intervalo de 20 minutos começando às 13h30 locais (05h30, horário de Brasília), informou um porta-voz policial à Efe.

"O alvo foi o consulado dos EUA, mas é uma zona muito protegida e (os terroristas) não puderam entrar em suas instalações", explicou a fonte.

Segundo sua versão, morreram no ataque os seis terroristas que formavam o grupo -outras fontes apontam para três- e pelo menos um agente policial, enquanto várias pessoas ficaram feridas, incluindo membros das forças de segurança.

Em comunicado, a embaixada americana no Paquistão explicou que dois guardas empregados pelo consulado perderam a vida e um número indeterminado de pessoas ficaram feridas no atentado suicida, envolvendo um carro-bomba e ataques com granadas e armas de insurgentes que tentaram invadir o edifício.

"Os EUA agradecem pela ajuda das forças de segurança em Peshawar, que responderam rapidamente ao ataque em apoio ao consulado", aponta a nota.

A fonte policial consultada pela Efe acrescentou que o Exército e outros corpos de segurança bloquearam a estrada de Khyber, isolaram a região e iniciaram uma operação de busca pelos explosivos, na qual pelo menos dois artefatos foram detonados.

A televisão paquistanesa informou que vários edifícios foram afetados pelas potentes explosões e uma fonte diplomática dos EUA disse à Efe que o consulado sofreu "imperfeições bastante grandes", mas não deu mais detalhes.

Os feridos foram transferidos a diversos hospitais da cidade.

O primeiro-ministro paquistanês, Yousef Raza Guilani, e o ministro das Relações Exteriores, Shah Mehmood Qureshi, condenaram os ataques em comunicados.

O Exército paquistanês combate atualmente em algumas áreas da NWFP e em quase todos os distritos que formam o cinto tribal que faz fronteira com o Afeganistão, sob domínio talibã, um movimento que assumiu autoria da maioria dos ataques terroristas dos últimos meses.

Os talibãs também assumiram autoria da ação de hoje em Peshawar, segundo a imprensa paquistanesa.

Os ataques acontecem depois de três semanas de pouca atividade terrorista no país, onde mais de 12 mil pessoas morreram em 2009 em eventos violentos, um quarto delas em atentados, segundo um relatório do Instituto do Paquistão para Estudos de Paz. EFE igb/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG