Atentado suicida mata ministro da Segurança da Somália e mais 24

Por Abdi Guled e Ibrahim Mohamed MOGADISCO (Reuters) - Insurgentes islâmicos linha-dura mataram o ministro da Segurança da Somália, Omar Hashi Aden, e pelo menos outras 24 pessoas nesta quinta-feira, disseram autoridades. Foi o mais mortífero ataque suicida no país, situado no chifre da África.

Reuters |

O ministro era figura essencial na ofensiva governamental contra rebeldes islâmicos que controlam boa parte do sul a Somália e querem derrubar o governo para impor ao país uma interpretação estrita da lei islâmica.

Um carro-bomba detonado por um militante suicida atingiu Aden e outras autoridades em um hotel em Baladwayne, cidade na região central onde o ministro estava ajudando a orientar as operações contra o grupo insurgente Al Shabaab, que os Estados Unidos dizem ter ligações com a rede Al Qaeda.

Mohamed Abdi, um lojista nas imediações do hotel ter visto fumaça saindo do prédio, forças do governo passaram a atirar depois da explosão e partes de corpos estavam espalhados por toda a rua.

Autoridades e fontes hospitalares afirmaram que a bomba matou pelo menos 25 pessoas e feriu outras 38.

"Estou enviando condolências à família do ministro de Segurança Omar Hashi que foi morto na explosão em Baladwayne", declarou o presidente Sheikh Sharif Ahmed a repórteres, qualificando Al Shabaab de nada mais do que uma "máfia".

"A Al Qaeda considera a Somália um lugar estratégico. Eles querem fazer dela um paraíso seguro para criminosos", afirmou. "Essa é uma guerra internacional contra os somalis. Nós pedimos ao mundo que nos ajude a combater os terroristas internacionais."

Aden foi para Baladwayne no início de junho com tropas fortemente armadas em uma ação para retomar mais território dos insurgentes islâmicos linha-dura.

Al Shabaab assumiu a responsabilidade pelo atentado suicida.

"Um de nossos mujahideen (combatentes islâmicos) realizou aquele ataque sagrado e o chamado ministro da Segurança e seus homens foram mortos", disse Sheikh Ali Mohamud Rage à imprensa local.

Um alto funcionário no gabinete do primeiro-ministro disse que o ex-embaixador da Somália na Etiópia Abdkarin Farah Laqanyo também morreu na explosão.

Depois de um atentado suicida contra a sede da polícia na capital, em 25 de maio, um dirigente da Al Shabaab disse que haveria mais ataques suicidas nos dias seguintes.

(Reportagem adicional de Abdiaziz Hassan em Nairobi)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG